Governo disponível para apoiar famílias do bairro da Torre, em Loures

O Governo anunciou hoje estar disponível para apoiar as famílias afetadas pelo incêndio de domingo no bairro da Torre, em Loures, referindo que já foi apresentada na segunda-feira à autarquia uma lista de habitações disponíveis. (CORRIGE A DATA EM QUE FOI DISPONIBILIZADA A AJUDA)

Um incêndio que deflagrou no domingo no bairro da Torre, na localidade de Camarate, no concelho de Loures (distrito de Lisboa), deixou desalojados mais de uma dezena de moradores, que viviam em habitações abarracadas.

Esta tarde, o Ministério do Ambiente, que tutela a área da Habitação, emitiu um esclarecimento onde afirma que o Governo "está a acompanhar" a situação das famílias afetadas e que, através do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU), já apresentou à Câmara Municipal de Loures "uma lista com frações habitacionais disponíveis no âmbito do seu património para realojamento imediato.

"Foi promovida uma articulação imediata, durante o rescaldo do incêndio, entre o IHRU, o Instituto de Segurança Social e a Câmara Municipal de Loures com vista a disponibilizar apoio para encontrar uma solução habitacional para as famílias desalojadas", lê-se na nota.

O Ministério do Ambiente acrescentou ainda que também já se disponibilizou junto da Câmara da Loures para conceder apoio adicional às famílias afetadas pelo incêndio e às restantes do bairro, nomeadamente através da aplicação de programas habitacionais, como o Porta de Entrada -- Programa de Apoio ao Alojamento Urgente e o 1.º Direito -- Programa de Apoio ao Acesso à Habitação.

Na segunda-feira, o presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares (CDU), tinha lamentado o incêndio e instado o Governo a intervir na procura de uma solução definitiva para todos os moradores, sublinhando que "a autarquia não tem capacidade para resolver o problema sozinha".

Também nesse dia, o Bloco de Esquerda questionou o Governo e a Câmara Municipal de Loures sobre as condições precárias em que mais de duas centenas de pessoas continuam a viver no bairro da Torre.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.