Governo cria Centro de Competências para Gestão e Sustentabilidade das Espécies Cinegéticas e Biodiversidade

O Centro de Competências para o Estudo, Gestão e Sustentabilidade das Espécies Cinegéticas e Biodiversidade foi hoje constituído, tendo entre os seus objetivos promover o desenvolvimento socioeconómico desta atividade e a garantia da sua sustentabilidade, anunciou o governo.

O Centro hoje criado, deve elaborar "estratégias de intervenção e ações prioritárias específicas dirigidas às espécies cinegéticas", visando a "exploração sustentada dos recursos cinege´ticos, o (re)estabelecimento do equilíbrio ecológico no território nacional, a conservação da Natureza e o estímulo à proteção da biodiversidade, bem como o desenvolvimento rural e valorização dos produtos da caça", lê-se numa nota do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural (MAFDR).

Segundo a mesma fonte, "este Centro de Competências constituir-se-á como uma plataforma que agrega os principais agentes que desenvolvem atividade no setor" desde a administração pública a entidades do sistema científico e tecnológico e empresas.

A promoção das "melhores práticas de gestão dos recursos naturais" e a divulgação turística, são outras das incumbências do Centro.

Outro objetivo é a demonstração do "papel construtivo que a caça sustentável e os caçadores desempenham na conservação da vida selvagem, na gestão do mundo rural e na preservação da biodiversidade".

"Promover o desenvolvimento socioeconómico da atividade cinegética e a garantia da sua sustentabilidade, a preservação das características genéticas das espécies autóctones, bem como a gestão sanitária e imunoprofilática de espécies cinegéticas, principalmente nos processos de reintrodução e de repovoamento", são outros dos objetivos do organismo hoje criado.

O Centro de Competências para o Estudo, Gestão e Sustentabilidade das Espécies Cinegéticas e Biodiversidade irá também "auxiliar na identificação de novos produtos e de novas oportunidades de mercado no setor cinegético, explorar e divulgar a dimensão gastronómica e nutricional da carne de caça e promover a certificação dos produtos de caça".

Ao centro caberá ainda "gerar e aprofundar o conhecimento científico sobre a biologia das espécies cinegética", assim como realizar estudos de monitorização contínua da "dinâmica demográfica e de epidemiovigilância das espécies cinegéticas".

Ao Centro cabe ainda conduzir e apoiar estudos científicos e técnicos inseridos na gestão e/ou conservação e preservação das espécies e gizar programas de educação sobre conservação da vida selvagem, ecologia e gestão de recursos naturais, desencorajar a caça furtiva e dar apoio técnico-científico e assessoria aos gestores cinegéticos, do mundo rural e florestal, e às autoridades locais, regionais e nacionais.

Os parceiros do Centro de Competências são o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, O Instituto da Conservação da Natureza e Florestas, a Direção Geral de Alimentação e Veterinária, a Associação Nacional de Proprietários Rurais, Gestão Cinegética e Biodiversidade, a Confederação Nacional dos Caçadores Portugueses, a Federação Portuguesa de Caça, o Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto, o Instituto de Biologia Experimental e Tecnológica, a Ordem dos Médicos Veterinários e a Câmara Municipal de Mértola.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.