Governo anuncia adjudicação de obra para reparação da EN247, em Sintra

As obras de reparação do piso da Estrada Nacional 247 (EN247), em Sintra, vão iniciar-se durante este mês, resolvendo os condicionamentos de trânsito que têm afetado aquela via desde novembro passado, anunciou hoje o Governo.

A travessia da EN247 - que liga a vila de Sintra à freguesia de Colares, no distrito de Lisboa - tem estado a ser feita, desde novembro, apenas por uma via (semaforizada), na zona de Galamares, devido à queda de um muro.

Esta situação tem originado "enormes filas de trânsito", nalguns casos com oito quilómetros.

Esta tarde, durante uma cerimónia em que foi apresentado o plano de limpeza das faixas de gestão de combustível da Serra de Sintra, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, anunciou que já foi adjudicada a obra para reparação da via e perspetivou que esta intervenção possa estar concluída até julho.

"Tinha sido lançado pelo IP (Infraestruturas de Portugal) um primeiro concurso, mas este ficou deserto e houve necessidade de lançar um segundo, tendo sido finalmente encontrado um interessado", explicou.

A intervenção tem um custo previsto de cerca de 50 mil euros e deverá iniciar-se até ao final deste mês.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.