Gestora do PDR garante que a situação dos regadios "não é preocupante"

A gestora do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR 2020), Gabriela Freitas, garantiu hoje no parlamento que a situação dos projetos de regadios "não é preocupante", tendo em conta o trabalho já desenvolvido.

"Relativamente aos regadios a situação não é preocupante. O concurso de reabilitação dos regadios existentes já está a ser feito. [Tudo o que se refere] à segurança das barragens, drenagens e aos regadios tradicionais está igualmente a ser cumprido. Em 50 milhões [destinados aos regadios] cerca de 3,5 milhões não estão cumpridos", disse Gabriela Freitas durante uma audição parlamentar na Comissão de Agricultura e Mar.

A mesma responsável garantiu que a autoridade de gestão cumpriu "integralmente" com os pactos que haviam sido assinados pela anterior gestão do programa.

Gabriela Freitas notou que as nove candidaturas de projetos de regadios, no âmbito do PDR 2020, "estão todas analisadas" e disse que, provavelmente, "dentro de uma semana [os projetos] poderão estar contratados".

O Programa de Desenvolvimento Rural de Portugal- Continente, em vigor até 2020, foi aprovado na sequência da decisão da Comissão Europeia em dezembro de 2014 e visa o apoio às atividades do setor agrícola assente numa gestão eficiente dos recursos.

A 03 de março, no âmbito do Programa Nacional de Regadios, o ministro da Agricultura disse à Lusa que já haviam sido aprovados 22 projetos, no valor total de 248 milhões de euros.

"Neste momento já estão aprovados 22 projetos, que correspondem a 248 milhões de euros, sendo que os restantes serão para aprovar até ao final deste ano, para que a execução esteja concluída, o mais tardar, em 2022", disse, na altura, Capoulas Santos, em declarações à Lusa.

De acordo com o governante, o programa em causa visa instalar em todo o país cerca de 95 mil hectares de regadios, 54 mil de novos regadios e 41 mil correspondentes a modernizações, tendo sido alocado um investimento público na ordem dos 534 milhões de euros.