Galeria 111 celebra 55 anos de vida com exposição de 60 artistas

A Galeria 111, em Lisboa, vai celebrar no sábado 55 anos de existência com uma exposição de obras de cerca de 60 artistas, no espaço fundado pelo galerista e colecionador Manuel de Brito.

"Além deste solitário carrossel" é o título da mostra que é inaugurada nesse dia, às 17:00, e ficará patente até 30 de março, com curadoria de Hugo Dinis, de acordo com a galeria.

António Charrua, Ana Vidigal, António Dacosta, António Palolo, Antonio Seguí, Bartolomeu Cid dos Santos, Barton Benes, Carlos Botelho, Celestino Mudaulane, Costa Pinheiro, Cristina Lamas, Daniel Fernandes, Diogo Evangelista, Eduardo Batarda, Eduardo Nery, Fátima Mendonça e Fernando Direito terão obras representadas nesta exposição.

Também estarão expostas obras de Jean-Michel Folon, Francisco Vidal, Gabriel Abrantes, Gonçalo Mabunda, Graça Morais, Henrique Ruivo, Jacinto Luis, Joana Fervença, Joana Salvador, Joana Vasconcelos, João Francisco, João Hogan, João Leonardo, João Vieira, Jorge Martins e Luiza Neto Jorge.

Criada em Lisboa, em 1964, a Galeria 111 apresentou, ao longo de 55 anos, alguns dos mais representativos artistas nacionais, como Álvaro Lapa, Paula Rego, Vespeira, António Palolo, Bartolomeu Cid dos Santos, Ângelo de Sousa, João Vieira e Eduardo Nery, entre outros.

Manuel de Brito (1928-2005) foi um dos primeiros e maiores galeristas e livreiros portugueses do século XX, tendo reunido uma das maiores coleções de arte do país, com cerca de 2.000 peças.

Arlete Alves da Silva e Rui de Brito, viúva e filho do colecionador, são os atuais responsáveis pela galeria, que se dedicou não apenas às artes plásticas, mas também à edição de livros.

A galeria iniciou a sua atividade no dia 03 de fevereiro de 1964, numa pequena sala anexa à Livraria Escolar Editora, especializada em livros universitários, no n.º 111 do Campo Grande, em Lisboa.

Ao longo dos 55 anos, a Galeria 111 editou cerca de duas centenas de gravuras e serigrafias, dezenas de livros de autor e monografias dos artistas com quem trabalhou, tendo sido também palco de exposições e vários recitais de poesia.

Luísa Neto Jorge, Fiama Hasse Pais Brandão, António Torrado, Maria Teresa Horta, Gastão Cruz e António Ramos Rosa, José Cardoso Pires, David Mourão-Ferreira, Sophia de Mello Breyner Andresen, entre outros, lançaram livros na galeria.

Desde 2000, a Galeria possui três espaços de exposição, distribuídos entre Lisboa e Porto, e continua a promover o lançamento de publicações e obras gráficas, assim como a colaborar com instituições públicas e privadas na divulgação da arte portuguesa contemporânea.

Ao longo de mais de meio século, cedeu obras do seu acervo para exposições em Portugal e no estrangeiro, organizadas pelo Ministério da Cultura, Ministério dos Negócios Estrangeiros, Fundação Calouste Gulbenkian, Sociedade Nacional de Belas Artes, Museu de Serralves, Casa das Histórias Paula Rego, Centro Cultural de Belém, entre outras instituições culturais.

A Câmara Municipal de Oeiras cedeu o Palácio Anjos, em Algés, para a instalação, desde 2006, do Centro de Arte Manuel de Brito, para mostrar as obras da coleção de arte, mas a falta de entendimento entre as partes levou à saída da coleção, no ano passado, para um espaço que ainda está por anunciar.

A exposição na Galeria 111 "Além deste solitário carrossel" vai ser inaugurada nas instalações do Campo Grande, no sábado, dia 02 de fevereiro, das 17:00 às 20:00, e estará patente ao público até dia 30 de março.

Exclusivos