Fundação Gulbenkian inicia processo consultivo para pensar estratégia futura

A Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, iniciou um processo consultivo para pôr em prática prioridades estratégicas até 2022, tendo reunido hoje a administração com uma série de conselheiros portugueses e estrangeiros.

Fonte da fundação explicou à agência Lusa que este processo consultivo iniciado, com a presença de conselheiros, faz parte e uma mudança de procedimentos da administração para pensar nos eixos prioritários da organização para o período 2018-2022.

Entre os 12 conselheiros convidados para a reunião de hoje com a administração da fundação estiveram, por exemplo, o cardeal-patriarca, Manuel Clemente, o diplomata Francisco Seixas da Costa, a reitora da Universidade Católica Portuguesa, Isabel Capeloa Gil, o investigador Miguel Poiares Maduro e o economista Vítor Bento.

A eles juntaram-se ainda o empresário e realizador brasileiro João Moreira Salles, o editor de Europa do Financial Times, Tony Barber, o jornalista Ben Hammersley e o historiador François Godement.

"Coesão e Integração Social", "Conhecimento" e "Sustentabilidade" são os eixos prioritários da Fundação Calouste Gulbenkian para os próximos anos.

"A natureza global dos problemas atuais tem levado a agendas partilhadas e trabalho em rede das fundações internacionais, bem como a abordagens multidisciplinares e focadas nos problemas", afirma a fundação na página oficial na Internet, sublinhando que se assume como "agente de mudança, de produção de conhecimento e de ensaio de soluções para os principais problemas da humanidade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.