Fredy regressa ao Belenenses e assina até 2019

O extremo Fredy consumou hoje o regresso ao Belenenses, tendo assinado contrato até 2019 com a formação da I Liga portuguesa de futebol, da qual tinha saído em 2015 para o campeonato angolano.

O avançado, de 27 anos, que esta época representou os holandeses do Excelsior, pelos quais disputou 33 jogos e anotou dois golos, está de volta ao Restelo, de onde saiu a meio da temporada 2014/15 para alinhar pelo Recreativo do Libolo.

"É um regresso a casa. Já conheço bastante bem esta família e é sempre bom voltar onde já fui muito feliz. Queria voltar a Portugal e felizmente proporcionou-se a oportunidade de regressar ao meu clube. Não tinha dúvidas que, um dia, iria voltar e sinto-me muito feliz por voltar a vestir esta camisola", disse Fredy, em declarações prestadas à assessoria de imprensa da SAD dos 'azuis'.

O internacional angolano, que é o primeiro reforço confirmado pelos 'azuis' para a nova época, admitiu que estava "ansioso por assinar novamente pelo Belenenses" e frisou que, enquanto esteve fora, nunca deixou de acompanhar o desempenho do clube da 'Cruz de Cristo'.

"Além de ser o meu clube do coração, tenho aqui muitos amigos. Prometo suar e jogar por amor à camisola, algo que implica jogar bem e vencer. O Belenenses joga sempre para ganhar, seja contra quem for, e é com essa mentalidade que vamos entrar na próxima época", disse.

Fredy estreou-se pela equipa principal do Belenenses em 2008/09, somando, desde então, 156 partidas e 20 golos pelo conjunto lisboeta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.