Folio - Festival Literário Internacional abre hoje portas em Óbidos

O Folio -- Festival Literário Internacional de Óbidos arranca hoje para 11 dias de folia e literatura em torno das "Revoluções, revoltas e rebeldias" que vão reunir na vila autores de 14 países.

Vinte e nove mesas de criadores, dez exposições, 15 conversas e um seminário marcam o programa da terceira e mais internacional edição do Folio - Festival Literário Internacional de Óbidos.

Este ano, sem financiamento do Turismo do Centro, o festival remodelou-se com uma programação essencialmente assente em parcerias com outros festivais, cidades criativas da UNESCO, editoras, institutos e universidades.

O resultado são 11 dias de "folia", em que as 29 mesas abertas ao público, e gratuitas, juntam, além de escritores portugueses, autores de Espanha, França, Brasil, Hungria, Canadá (numa parceria com o Festival Littéraire International de Montréal - Metropolis Bleu), Colômbia e Chile.

Mesas redondas e conversas irão abordar revoluções na religião, na tecnologia, nas mentalidades e temas tão diversos como Serviços Secretos e a personalidade do papa Francisco.

Bruno Vieira do Amaral, vencedor do prémio José Saramago em 2015, conversa com o vencedor do mesmo prémio, em 2017, que será anunciado no dia 25. Eduardo Lourenço e Guilherme D'Oliveira Martins juntam-se para uma conversa que pode transformar-se numa aula de cultura portuguesa.

Das dez exposições, destaca-se "O Aceitador do Medo", do moçambicano Gonçalo Mabunda, que mostra em Óbidos esculturas construídas com arsenal bélico desativado.

Cartazes sobre o 25 de Abril recordam "O Nascimento de Uma Democracia", numa exposição em parceria com a Assembleia da República, que junta ao seu espólio o da Comissão Nacional de Eleições e ainda o da coleção privada de José Pacheco Pereira.

A PIM! Mostra de Ilustração leva mais uma vez à vila os vencedores do Prémio Nacional de Ilustração, no âmbito do Ilustra, capítulo do festival que conta com um programa próprio, com curadoria de Mafalda Milhões.

Na Folia, o espetáculo de abertura será uma homenagem a José Afonso, protagonizada por Júlio Pereira e Stereossauro. Vitorino e Primeira-dama, Maria João a cantar Aldir Blanc, Aldina Duarte com Carlão, como convidado especial, Rodrigo Leão e as "Ficções do Interlúdio", de Helder Bruno (com participação de Nuno Guerreiro e Ricardo Carriço), completam o cartaz dos concertos desta terceira edição.

Gonçalo M. Tavares vai promover, durante dois dias, o primeiro curso de longa duração do Folio, em torno da literatura, artes e cultura contemporânea.

No Folio Educa, o capítulo mais académico do certame, a terceira edição do Seminário Internacional conta a participação de James Henri, Jordi Permayer e do argentino Mempo Giardinelli, ao longo de um dia dedicado às "Artes de bem escrever um Manifesto" a "Leituras clandestinas" e a "Receitas para uma Revolução".

D. Pedro I e D. Inês são comemorados com um programa que atravessará todo o festival, com exposições, conversas, uma instalação, lançamento de livros e um curso sobre a história e a lenda do romance intemporal.

O festival, que no ano passado juntou literatura e comida, aposta este ano na junção com o vinho, através do "Óbidos Wine Fest". Contará com provas vínicas comentadas, recitais de poesia, canto lírico, um espetáculo de Stand-up Comedy e 'workshops' de escrita criativa.

Sob o tema "Revoluções Revoltas e Rebeldias", o Folio desenvolve-se em cinco capítulos - Autores, Folia, Educa, Ilustra e Folio Mais - e prolonga-se até ao próximo dia 29.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.