FMI estima que Macau registe o maior rendimento 'per capita' do mundo em 2020

O Fundo Monetário Internacional (FMI) estimou que Macau registe em 2020 o maior rendimento 'per capita' do mundo, destronando o Qatar, de acordo com as últimas projeções da instituição.

Os dados divulgados pelo FMI a 27 de julho, agora alvo de análise, indicam que Macau apresenta neste momento um rendimento 'per capita' de 105 mil euros, só ultrapassado pelo Qatar, com 111 mil euros.

Em 2020, o rendimento 'per capita' de Macau deverá subir para os 124 mil euros, quase o triplo da média das economias mais avançadas como a Austrália, Estados Unidos, Áustria, Reino Unido e China continental.

O FMI calcula que a outra região especial administrativa chinesa, Honk Kong, deverá apresentar em 2020 um montante 'per capita' inferior a metade do de Macau, ocupando o 10.º lugar, enquanto o de Portugal não chegará aos 30 mil euros anuais de rendimento por habitante, ficando-se pelo 46.º posto.

De acordo com os dados do Governo de Macau, no final de 2017 viviam no território cerca de 653 mil habitantes em pouco mais de 30 quilómetros quadrados.

Macau, a capital do jogo mundial, é o único local na China onde apostas em casino são legais.

Em 2017, a receita do jogo em Macau cresceu 19,1% para 265,7 mil milhões de patacas (27,5 mil milhões de euros).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.