Finalistas de arquitetura do Porto vão a Amarante pensar a regeneração da cidade

Sessenta finalistas de arquitetura da Universidade do Porto (UP) vão trabalhar nas ruas de Amarante, durante cinco dias, em ideias para a revitalização urbana da cidade, informou hoje a câmara municipal.

Segundo a autarquia, a atividade designar-se-á "Maratona de Projeto Reinventar Lugares" e ocorre no âmbito da parceria estabelecida com aquela universidade, no contexto do projeto "RUA - Revitalização Urbana de Amarante".

Os finalistas da Faculdade de Arquitetura da UP vão discutir "soluções de projeto inovadoras para diversos espaços da cidade, concretizando diferentes pontos de vista, estratégias ou hipóteses de atuação através do desenho urbano", lê-se num comunicado.

A autarquia assinala também que as ideias deverão ter em conta "uma primeira aproximação à história da cidade e às suas transformações sociológicas, económicas e culturais".

A parceria entre a Câmara de Amarante e a UP permitirá aos alunos, com esta ação, "a troca de ideias e conhecimentos com a presença de técnicos municipais, especialistas em diferentes valências disciplinares, docentes e investigadores da Faculdade de Arquitetura da UP".

A atividade vai decorrer de 19 a 23 de fevereiro e culminará com a apresentação pública dos resultados. Essa sessão está marcada para o auditório da Casa da Portela, no dia 23 de fevereiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.