Final inédita entre Mindelense e Académica em Cabo Verde cimenta domínio de São Vicente e Santiago Sul

O Mindelense e a Académica da Praia disputam no sábado a final do campeonato de futebol em Cabo Verde, numa decisão que cimenta o domínio de São Vicente e de Santiago Sul no futebol no país.

O jogo começa às 15:30 locais (17:30 em Lisboa), no Estádio Municipal do Porto Novo, na ilha de Santo Antão, na primeira vez que as duas equipas se encontram numa final do campeonato em Cabo Verde.

A presença destas duas equipas na final cimenta o domínio de São Vicente e Santiago Sul no futebol cabo-verdiano, duas regiões que, por exemplo, ganharam todas as últimas 13 edições do campeonato, sendo sete para Santiago Sul e seis para São Vicente, e uma delas voltará a ganhar.

Em todas as anteriores edições do campeonato de Cabo Verde (antes e após a independência), as regiões de Santiago Sul e São Vicente ganharam juntas 48 campeonatos, sendo 27 para São Vicente e 21 para Santiago Sul.

As outras seis edições foram conquistadas por equipas das regiões desportivas do Fogo e Maio, com uma cada, e Sal e Boavista, com dois campeões cada, sendo que o último a "intrometer-se" entre São Vicente e Santiago Sul foi o Sal-Rei da Boavista, em 2004.

Enquanto o Mindelense procura o seu 20.º título de campeão nacional na sua história (sete antes da independência e 12 depois), a Académica da Praia tenta conquistar o seu segundo título, após o único no longínquo ano de 1965, ainda antes da independência de Cabo Verde, conseguida em 05 de julho de 1965.

Para chegar à final, o Mindelense eliminou a Palmeira do Sal enquanto a Académica derrotou o Foguetões de Santo Antão Norte, nas meias-finais.

As duas equipas foram do mesmo Grupo A na fase inicial da prova, tendo a Académica ficado em primeiro lugar e o Mindelense apurado para as meias-finais como o melhor segundo classificado dos três grupos.

Nos dois jogos realizados na fase de grupos entre si, registou-se outros tantos empates a zero, primeiro na Praia e depois no Mindelo.

Nos oito jogos realizados entre a fase de grupos e as meias-finais, o Mindelense foi a única equipa que não sofreu qualquer derrota, tendo registado quatro vitórias e quatro empates, marcado nove golos e sofrido cinco.

Já a Académica da Praia, consentiu uma única derrota até agora, frente à sua congénere do Porto Novo, precisamente no Estádio onde vai jogar a final, registando ainda quatro vitórias e três empates, marcado sete golos e sofrido quatro.

Em caso de vitória do Mindelense, o técnico dos campeões de São Vicente, Rui Alberto Leite, conquistará o seu quatro campeonato nacional pelo clube, depois de três seguidas entre 2014 e 2016.

Já Lito Aguiar, treinador da Académica da Praia, poderá ganhar o segundo campeonato nacional seguido, depois de o ter conseguido no ano passado ao serviço do Sporting da Praia.

O jogo será arbitrado por um trio de árbitros da ilha do Sal, liderado por António Rodrigues, que será auxiliado por Djery Lopes e Edmilson Tavares.

O campeão nacional de futebol em Cabo Verde passou a ser decidido num único jogo, e no primeiro ano disputado no Estádio Municipal do Porto Novo, que foi previamente sorteado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.