Filme "A ilha dos cães" estreia-se finalmente em Angola

O filme "A ilha dos cães", do realizador português Jorge António e rodado parcialmente em território angolano, vai ser exibido publicamente em Angola pela primeira vez na quarta-feira, na abertura do primeiro Ciclo de Cinema Messu, em Luanda.

Em exibição em Portugal desde 20 de abril, "A ilha dos cães", que inclui uma das últimas interpretações do ator Nicolau Breyner, é uma adaptação do romance "Os senhores do areal", do escritor angolano Henrique Abranches, uma ficção passada em São Tomé e Príncipe e Angola, ancorada em diferentes períodos históricos, abordando a escravatura e a descolonização.

Contudo, em Angola, nenhuma empresa de distribuição se mostrou disponível para avançar com a exibição do filme, que refere na sua sinopse retratar o país no período colonial e na atualidade, em salas de cinema da rede comercial.

A exibição do filme "A ilha dos cães", rodado em Luanda e no Namibe, na abertura do primeiro Ciclo de Cinema Messu, intitulado "Independência e os filhos da Independência", acontece no auditório do Banco Económico, em Luanda, na quarta-feira, pelas 18:30.

Será assim a ante-estreia em Angola e contará com a apresentação do filme pelo realizador Jorge António, na presença do ator angolano Miguel Hurst, que integra o elenco, informou à Lusa a organização do evento, que se prolonga até julho.

"Messu" é a desconstrução da palavra Jikulamessu, que na língua nacional angolana quimbundo significa "ver" e o ciclo de cinema pretende, segundo os promotores, "assumir um papel no desenvolvimento e promoção do cinema, pela sua enorme riqueza, diversidade e potencialidade ao mesmo tempo que estabelece uma visão contemporânea de Angola e serve como mecanismo de apoio à produção nacional para o incentivo à execução de projetos artístico-culturais".

"É uma proposta de promoção, reflexão e discussão em torno da criação cinematográfica angolana no mapa da modernidade e internacionalização artística dos séculos XX e XIX", acrescenta a produção, a cargo da This is Not a White Cube (TINAWC).

Em ano de estreia, o evento pretende ter uma periodicidade anual e o foco na produção nacional e africana, "com uma proposta curatorial anual especifica".

Além da ante-estreia - e outra exibição em agosto - da longa-metragem "A Ilha dos Cães" de Jorge António, serão ainda apresentados filmes históricos de Sarah Maldoror e António Ole, sessões com filmes de autores representantes do cinema angolano como Orlando Fortunato, Mariano Bartolomeu, Ruy Duarte, Ademir Ferreira, Maria João Ganga e de jovens promissores no panorama nacional.

Exibido este ano em antestreia no Fantasporto, "A ilha dos cães" é uma adaptação do romance "Os senhores do areal", do escritor angolano Henrique Abranches, uma ficção passada em São Tomé e Príncipe e Angola, ancorada em diferentes períodos históricos, abordando a escravatura e a descolonização.

Há ainda um fio narrativo de fantasia, a partir da presença de uma misteriosa e assassina matilha, numa ilha onde vivem sobretudo pescadores, ameaçados pela construção de um empreendimento turístico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.