Festim celebra dez anos com 14 concertos em seis concelhos e adesão de Azeméis

Oliveira de Azeméis, Aveiro, 24 maio (Lusa) - O 10.º Festim - Festival Intermunicipal de Músicas do Mundo arrancará a 02 de junho, e integra agora Oliveira de Azeméis no programa que leva 14 concertos, por artistas de sete países, a seis concelhos do distrito de Aveiro.

Com concertos ao ar livre de entrada gratuita e espetáculos em sala a preços dos quatro aos seis euros, o evento irá decorrer até 26 de julho, e levará uma a três atuações a cada um dos municípios envolvidos no projeto: Águeda, Albergaria-a-Velha, Estarreja, Ílhavo, Sever do Vouga e, em estreia este ano, Oliveira de Azeméis.

Os artistas em cartaz este ano são: La Caravane Passe, de França, Boban Markovic Orkestar, da Sérvia, Pascuala Ilabaca y Fauna, do Chile, Orchestre Poly-Rythmo de Cotonou, do Benim, La Yegros, da Argentina, Waldemar Bastos, de Angola, e Omar Souleyman, da Síria.

"São 14 concertos, num evento que é intermunicipal, mas também suprainstitucional", declarou hoje, em conferência de imprensa, Luís Fernandes, coordenador do festival organizado pela Associação Cultural d'Orfeu.

"Com a adesão de Oliveira de Azeméis é um canal novo que se abre entre municípios que neste domínio não têm uma plataforma que os una e, se o Festim puder fazer esse contacto entre comunidades, pessoas e artistas, será uma grande mais-valia para todos", defendeu.

No mesmo espírito de aproximação, as escolhas do programa de 2018 procuram disponibilizar ao público o contacto com sonoridades que cruzam características étnicas com registos mais familiares como o rock, pop, jazz e até a rumba e o funk.

O coletivo La Caravane Passe, por exemplo, levará a Albergaria e Sever uma presença "muito festiva", que funde a música cigana tradicional dos Balcãs com o pop francês. Pelos mesmos municípios passará também a orquestra de sopros de Boban Markovic, apontado como "um grande trompetista cigano", "capaz de levantar toda a gente".

Já a cantora e acordeonista Pascuala Ilabaca, que atuará em Albergaria e Ílhavo, combinará a etnicidade chilena com o rock e a pop, para entregar uma mensagem que tem tanto de política quanto de romântica.

O Orchestre Poly-Rythmo de Cotonou, por sua vez, promete, para Ílhavo e Oliveira de Azeméis, um concerto com laivos dos cerimoniais festivos do Benim e múltiplas heranças culturais, enquanto a "carismática 'cantautora'" Mariana "La Yegros" trabalhará sons da Argentina e da Colômbia, na performance "urbana e eclética" que propõe para Águeda, Estarreja e Sever.

Os dois outros artistas do Festim de 2018 são Waldemar Bastos, que é "uma lenda em África", e levará a Águeda e Estarreja "música de mensagem com um apelo constante à fraternidade entre os povos", e ainda Omar Suleyman, o artista que, sendo há vários anos refugiado da Síria, apurou entretanto a sonoridade "kitsch e extravagante" com que tem conquistado público por toda a Europa.

Isabel Pinto, vereadora da Cultura na Câmara Municipal de Estarreja, afirmou que este cartaz é "um bom exemplo de uma programação em rede" e o seu homólogo de Sever, José Almeida Costa, considerou a "parceria excelente" pelo contacto que proporciona com "culturas de outros pontos do mundo".

Elsa Corga, autarca com o mesmo pelouro em Águeda, também concorda que a 'world music' traz "uma riqueza cultural muito grande" à programação dos municípios - perspetiva reforçada pela vereadora de Ílhavo, Fátima Teles, ao defender que as músicas do mundo têm potencial para trazer à rua "uma nova dinâmica".

Delfim Bismarck, que tutela a Cultura em Albergaria-a-Velha, atribuiu a nova opção local por um concerto em sala e dois ao ar livre à necessidade de "ajustar a oferta à procura do público" e Joaquim Jorge Ferreira, presidente da Câmara de Oliveira de Azeméis, justificou a adesão do município ao projeto com o facto de lhe reconhecer qualidade para se afirmar como "um instrumento importante de dinamização económica e social".

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.