Feira do Livro leva a partir de hoje o mundo a Maputo, escrito em Português

Vários escritores moçambicanos consideraram hoje que a língua portuguesa está viva e enraizada em Moçambique, onde a partir de hoje serve de veículo para conhecer o mundo na Feira do Livro de Maputo, a decorrer até sábado.

"Não há dúvida que temos influência dos países vizinhos, anglófonos, e isso permite-nos comunicar com eles, mas não há risco de o Português perder o seu lugar, tanto que nesses países vizinhos existem escolas de Português", referiu Aldino Muianga, escritor moçambicano, em declarações à Lusa.

O autor foi um dos que hoje marcou presença na abertura da feira, no Jardim Tunduru, no centro de Maputo.

"Estou a viver na África do Sul há bastante tempo e tenho participado em encontros de divulgação da língua portuguesa. E no Zimbabué, idem aspas", acrescentou.

Mesmo que Moçambique consiga valorizar as suas línguas locais, Muianga acredita que tal será feito "no sentido de valorizar o património local, não significa que rejeitemos a língua portuguesa como instrumento, de forma alguma".

João Tordo, vencedor do Prémio José Saramago em 2009 com a obra "As três vidas" está pela primeira vez em Moçambique a convite do Camões - Centro Cultural Português para participar em iniciativas ligadas à feira hoje inaugurada.

Além de cerca de uma dezena de expositores de editoras e centros culturais no Jardim Tunduru, o evento inclui debates, lançamento de livros e música - tanto no jardim, como na Biblioteca Nacional de Moçambique e centros culturais associados à iniciativa.

"Os festivais e feiras literárias servem para isso, para reencontrar essas vozes e para termos essa espécie de comunhão e encontro", referiu João Tordo à Lusa.

A passagem por outros países lusófonos permite também alargar o leque de influências de cada autor.

"É importante porque é nestes sítios que vou buscar inspiração, histórias e personagens", acrescentou.

Juvenal Bucuane, escritor moçambicano, destaca a importância da feira para cativar novos leitores.

"Eu estou aqui em Moçambique, mas não preciso ir aos Estados Unidos da América, ao Brasil ou a Portugal para conhecer e para saber o que se passa nesses países: tenho os livros que me fazem viajar até lá", referiu à Lusa.

"Para mim, estas feiras são importantes no sentido em que chamam as pessoas, concentram-nas, para dizer que é aqui, nestes livros, que aprendemos tudo o que sabemos, tudo o que nos faz seres humanos", concluiu.

A Feira do Livro de Maputo assinala também os 130 anos de elevação da capital moçambicana à categoria de cidade.

A organização está a cargo do Conselho Municipal de Maputo em parceria com os centros culturais de Portugal, Espanha, Itália, Alemanha, França e Brasil.

Últimas notícias

Conteúdo Patrocinado

Mais popular

Pub
Pub