Feira do Livro leva a partir de hoje o mundo a Maputo, escrito em Português

Vários escritores moçambicanos consideraram hoje que a língua portuguesa está viva e enraizada em Moçambique, onde a partir de hoje serve de veículo para conhecer o mundo na Feira do Livro de Maputo, a decorrer até sábado.

"Não há dúvida que temos influência dos países vizinhos, anglófonos, e isso permite-nos comunicar com eles, mas não há risco de o Português perder o seu lugar, tanto que nesses países vizinhos existem escolas de Português", referiu Aldino Muianga, escritor moçambicano, em declarações à Lusa.

O autor foi um dos que hoje marcou presença na abertura da feira, no Jardim Tunduru, no centro de Maputo.

"Estou a viver na África do Sul há bastante tempo e tenho participado em encontros de divulgação da língua portuguesa. E no Zimbabué, idem aspas", acrescentou.

Mesmo que Moçambique consiga valorizar as suas línguas locais, Muianga acredita que tal será feito "no sentido de valorizar o património local, não significa que rejeitemos a língua portuguesa como instrumento, de forma alguma".

João Tordo, vencedor do Prémio José Saramago em 2009 com a obra "As três vidas" está pela primeira vez em Moçambique a convite do Camões - Centro Cultural Português para participar em iniciativas ligadas à feira hoje inaugurada.

Além de cerca de uma dezena de expositores de editoras e centros culturais no Jardim Tunduru, o evento inclui debates, lançamento de livros e música - tanto no jardim, como na Biblioteca Nacional de Moçambique e centros culturais associados à iniciativa.

"Os festivais e feiras literárias servem para isso, para reencontrar essas vozes e para termos essa espécie de comunhão e encontro", referiu João Tordo à Lusa.

A passagem por outros países lusófonos permite também alargar o leque de influências de cada autor.

"É importante porque é nestes sítios que vou buscar inspiração, histórias e personagens", acrescentou.

Juvenal Bucuane, escritor moçambicano, destaca a importância da feira para cativar novos leitores.

"Eu estou aqui em Moçambique, mas não preciso ir aos Estados Unidos da América, ao Brasil ou a Portugal para conhecer e para saber o que se passa nesses países: tenho os livros que me fazem viajar até lá", referiu à Lusa.

"Para mim, estas feiras são importantes no sentido em que chamam as pessoas, concentram-nas, para dizer que é aqui, nestes livros, que aprendemos tudo o que sabemos, tudo o que nos faz seres humanos", concluiu.

A Feira do Livro de Maputo assinala também os 130 anos de elevação da capital moçambicana à categoria de cidade.

A organização está a cargo do Conselho Municipal de Maputo em parceria com os centros culturais de Portugal, Espanha, Itália, Alemanha, França e Brasil.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.