'Fake News': Fenómeno é "grande oportunidade para o jornalismo" - José Tribolet

O professor universitário e fundador do INESC, José Tribolet, defendeu, em entrevista à Lusa, que o combate às 'fake news' passa pela educação e que o fenómeno "é uma grande oportunidade para o jornalismo".

O arranque do 5G [quinta geração móvel] vai acelerar a disseminação de informação 'falsa', mas o jornalismo encontra aqui uma oportunidade para "ajudar o leitor a filtrar daquela nuvem toda o que tem sustentabilidade, o que é que tem alguma fundamentação, do que não tem", salientou o professor do Instituto Superior Técnico, prestes a jubilar-se.

"E isso é uma nova oportunidade" para o jornalismo, rematou.

"A questão das 'fake news' está em ensinar todos nós, desde as crianças, para já, a lidar com a informação, a consumir, interpretar", apontou.

"Aliás, comecemos por uma coisa muito simples: eu costumo dizer que nós aqui nos exames de admissão ao Técnico o fundamental (...) é ter a certeza que" os estudantes quando entram "sabem ler, escrever, falar, apresentar algo, e pensar", sublinhou.

Isto porque "muitos deles não vêm preparados para isso, não têm capacidade de pensar. Palavra de honra, é assustador", comentou.

"Claro que se uma pessoa não é capaz de pensar engole tudo", por isso, defendeu que a "educação é o primeiro" passo.

"Outra coisa é ter medidas ativas de defesa", considerou José Tribolet, apontando o papel do jornalismo.

"Acho que é uma grande oportunidade para o jornalismo, porque isto vai criar o novo jornalismo"

Em termos fundamentais, considerou, "só há uma medida que pode pôr isto debaixo de controlo: é a educação".

Sobre o impacto da tecnologia 5G, concordou que esta aumenta o volume de desinformação que circula nas redes sociais.

"Nessa medida, se há uma fonte de veneno ali, vai aumentar a dispersão e a velocidade, com certeza" que aumenta o nível de desinformação, admitiu.

Mas o que o 5G vai realmente capacitar "é a ligação entre os biliões de dispositivos inteligentes que se estão a instalar, as câmaras, os 'chips', os comandos todos que a gente está a pôr com pequeninas coisas inteligentes por todo o lado e não têm segurança nenhuma e está tudo ligado em rede. São biliões e o 5G liga tudo", acrescentou Tribolet, que sublinhou que 'fake news' ou manipulação não é algo novo, sempre existiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O populismo identitário

O tema da coincidência entre Nação-Estado foi intencionalmente considerado um princípio da organização mundial quando o presidente Wilson conseguiu a sua inclusão no estatuto da Sociedade das Nações (SdN), no fim da guerra de 1914-1918, organismo em que depois os EUA decidiram não entrar. Acontece que nação é um termo que, exprimindo de regra, em primeiro lugar, uma definição cultural (costumes, tradições, valores), tem vocação para possuir um território e uma soberania, mas o princípio da SdN não impediu a existência, hoje extinta, da unidade checoslovaca, nem que, atualmente, o Brexit advirta que um eventual problema futuro para o Reino Unido está no facto de não ser um Estado-Nação, e identidades políticas, provavelmente duas ou mais nações, suas componentes, são europeístas.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.