Exposições de Carlos Bunga, Ana Santos e robótica abrem quarta-feira em Lisboa

Uma exposição que dá um grande panorama da obra de Carlos Bunga, obras inéditas de Ana Santos e uma mostra sobre robótica vão abrir ao público na quarta-feira, no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), em Lisboa.

A exposição "The Architecture of Life. Environments, Paintings and Films", com escultura e pintura de Carlos Bunga, que ficará até 20 de maio no museu, tem curadoria de Iwona Blazwick, apresentando um conjunto de obras que sugerem a arquitetura como corpo e espaço mental, de acordo com o MAAT.

"O meu projeto é uma espécie de arquitetura; não é um espaço real, mas uma ideia mental", descreve um texto do artista, nascido no Porto, em 1976.

A exposição começa com uma pequena maqueta de habitação social onde o artista cresceu, iniciando uma viagem desde a miniatura ao monumental.

Usando apenas cartão e tinta, Carlos Bunga "constrói maquetas arquitetónicas, peças de mobília como esculturas e pinturas enquanto ambientes imersivos", segundo o MAAT.

"Animado por filmes das suas ações e atuações, assim como documentação de uma década de obras, este é o primeiro grande panorama da obra de Bunga. Encenando ciclos de construção e destruição, Bunga explora estados de destituição e de nomadismo; a natureza da experiência espacial; e o potencial criativo e simbólico de uma ruína", acrescenta o texto.

Carlos Bunga formou-se na Escola Superior de Artes e Design (ESAD), nas Caldas da Rainha, estudou em Nova Iorque e venceu o prémio EDP Novos Artistas em 2003.

A sua obra é criada habitualmente através de intervenções em lugares escolhidos previamente, nos quais modifica as construções com papelão, tinta e fita adesiva.

O MAAT também vai apresentar um conjunto de obras inéditas de Ana Santos, distinguida em 2013 com o Prémio EDP Novos Artistas.

Intitulada "Anátema", a exposição enquadra-se no campo expandido da escultura -- ou, mais concretamente, da produção de objetos -- baseada numa prática que assenta "na procura de um muito particular estado de atenção".

"Promovendo o recurso à sensibilidade e à intuição como instâncias que permitem sublinhar a unicidade do ato criativo, as suas peças resultam de um processo de reflexão sobre as características formais, funcionais, morfológicas ou cromáticas de determinados materiais ou objetos encontrados e das relações que entre eles possa querer testar ou estabelecer", descreve o museu.

"Hello, Robot" será também apresentada no MAAT para examinar o mundo atual da robótica, com mais de 200 peças das áreas de design e arte, com robôs utilizados em casa, nos cuidados assistidos e na indústria, bem como em jogos de computador, e instalações de media.

O objetivo é demonstrar a vasta panóplia de formatos que a robótica adota hoje em dia e alerta-nos para as questões éticas, sociais e políticas a ela associadas, levantando a questão: "Será que contribui para melhorar o nosso mundo?".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.