Exposição com obras de 30 artistas junta duas coleções ibéricas em Madrid

A exposição "O Fantasma de uma oportunidade" vai reunir obras de cerca de 30 artistas provenientes das coleções ibéricas de arte Sánchez-Ubiría e António Cachola, a partir de 21 de fevereiro, em Madrid, anunciou hoje a organização.

Patente até 21 de abril, no espaço La Nave - Sanchez-Ubiría, em Madrid, a exposição tem curadoria de Ana Cristina Cachola, e coloca em diálogo as duas coleções de arte, de Espanha e de Portugal.

Helena Almeida, Juan Asensio, Kader Attia, Pedro Barateiro, Bertozzi & Casoni, Joseph Beuys, Von Calhau!, Rui Chafes, June Crespo, Richard Deacon, Alexandre Estrela, Marlene Dumas, Rita Ferreira, Fernanda Fragateiro, Katharina Grosse, João Maria Gusmão & Pedro Paiva são alguns dos artistas representados na mostra.

O tema convoca o imaginário do escritor William Burroughs, a partir do seu livro homónimo, e "explora a figura do fantasma enquanto categoria operativa para pensar o contemporâneo", de acordo com a apresentação da mostra.

Obras de Candida Höfer, Igor Jesus, Svetlana Kopystiansky, Abigail Lane, Robert Mapplethorpe, Bruce Nauman, Musa Paradisiaca, Liliana Porter, Andreia Santana, Laurie Simmons e Ana Rito também serão apresentadas nesta exposição.

Convocando a ideia de fantasma, a exposição reflete sobre "o modo como as práticas artísticas contemporâneas acompanham e articulam a discussão sobre fantasmas, assombrações e espetros, entendidas enquanto entidades imagéticas que assombram, projetam sombras e agenciam assombro".

A exposição será apresentada no âmbito do programa oficial da Feira Internacional de Arte Contemporânea -- ARCO Madrid 2019, que decorre nos dias 26 de fevereiro a 03 de março.

A Nave Sanchez-Ubiría é um espaço dedicado à divulgação e apoio da cultura e da arte, através da realização de projetos e atividades de criação artística, sendo também depositária das obras da coleção de Marga Sánchez e Sebastián Ubiría, integradas em duas coleções, uma de arte contemporânea e outra de arte tradicional africana.

A Coleção António Cachola dedica-se, em exclusivo, à produção artística visual portuguesa, e conta com mais de 700 obras, dando especial atenção a artistas portugueses que começaram a produzir na década de 1980, e acompanha a criação contemporânea nacional até à atualidade.

Esta coleção encontra-se em depósito no Museu de Arte Contemporânea de Elvas (MACE), instituição museológica com tutela municipal, inaugurada em 2007, e que se encontra desde 2015 inserida na Rede Portuguesa de Museus.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.