Exportações de mobiliário e colchoaria aumentam 5% até setembro - APIMA

As exportações de mobiliário e colchoaria aumentaram 5% no terceiro trimestre deste ano, face ao período homólogo de 2016, sinalizou hoje a Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliários e Afins (APIMA).

De acordo com dados apurados pela APIMA, com base nas estatísticas do Instituto Nacional de Estatística, as exportações realizadas de janeiro a setembro deste ano atingiram um total de 1,3 mil milhões de euros.

França, Espanha e Reino Unido lideram o 'ranking' das exportações do setor, com um peso de 66% no volume total.

O mercado francês, com 419 milhões de euros em vendas, é o principal destino das exportações do setor, tendo crescido 11,25% face a igual período de 2016 e alcançado uma quota de 32% do total de exportações.

Segue-se Espanha, com um volume de vendas na ordem dos 363 milhões de euros, correspondentes a uma quota de mercado de 27%.

O Reino Unido, por sua vez, ocupa o terceiro lugar do 'ranking' com um volume de vendas de 84 milhões de euros, equivalente a um crescimento de 16% e uma quota de mercado de 6%, quando comparado com 2016.

Esta análise revela ainda melhorias no desempenho das exportações para a Republica Checa, com um crescimento de 339%, quando comparado com 2016.

Ainda segundo os dados recolhidos, importa salientar que as importações do setor registaram um decréscimo de 5% face ao período homólogo de 2016, fixando-se nos 693 milhões de euros, "valor que assegura a continuação de um saldo superavitário da balança comercial do setor".

A taxa de cobertura das exportações pelas importações do período em referência é de 191%, acrescenta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.