Exportações de mobiliário e colchoaria aumentam 5% até setembro - APIMA

As exportações de mobiliário e colchoaria aumentaram 5% no terceiro trimestre deste ano, face ao período homólogo de 2016, sinalizou hoje a Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliários e Afins (APIMA).

De acordo com dados apurados pela APIMA, com base nas estatísticas do Instituto Nacional de Estatística, as exportações realizadas de janeiro a setembro deste ano atingiram um total de 1,3 mil milhões de euros.

França, Espanha e Reino Unido lideram o 'ranking' das exportações do setor, com um peso de 66% no volume total.

O mercado francês, com 419 milhões de euros em vendas, é o principal destino das exportações do setor, tendo crescido 11,25% face a igual período de 2016 e alcançado uma quota de 32% do total de exportações.

Segue-se Espanha, com um volume de vendas na ordem dos 363 milhões de euros, correspondentes a uma quota de mercado de 27%.

O Reino Unido, por sua vez, ocupa o terceiro lugar do 'ranking' com um volume de vendas de 84 milhões de euros, equivalente a um crescimento de 16% e uma quota de mercado de 6%, quando comparado com 2016.

Esta análise revela ainda melhorias no desempenho das exportações para a Republica Checa, com um crescimento de 339%, quando comparado com 2016.

Ainda segundo os dados recolhidos, importa salientar que as importações do setor registaram um decréscimo de 5% face ao período homólogo de 2016, fixando-se nos 693 milhões de euros, "valor que assegura a continuação de um saldo superavitário da balança comercial do setor".

A taxa de cobertura das exportações pelas importações do período em referência é de 191%, acrescenta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?