Exportações de mobiliário e colchoaria aumentam 5% até setembro - APIMA

As exportações de mobiliário e colchoaria aumentaram 5% no terceiro trimestre deste ano, face ao período homólogo de 2016, sinalizou hoje a Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliários e Afins (APIMA).

De acordo com dados apurados pela APIMA, com base nas estatísticas do Instituto Nacional de Estatística, as exportações realizadas de janeiro a setembro deste ano atingiram um total de 1,3 mil milhões de euros.

França, Espanha e Reino Unido lideram o 'ranking' das exportações do setor, com um peso de 66% no volume total.

O mercado francês, com 419 milhões de euros em vendas, é o principal destino das exportações do setor, tendo crescido 11,25% face a igual período de 2016 e alcançado uma quota de 32% do total de exportações.

Segue-se Espanha, com um volume de vendas na ordem dos 363 milhões de euros, correspondentes a uma quota de mercado de 27%.

O Reino Unido, por sua vez, ocupa o terceiro lugar do 'ranking' com um volume de vendas de 84 milhões de euros, equivalente a um crescimento de 16% e uma quota de mercado de 6%, quando comparado com 2016.

Esta análise revela ainda melhorias no desempenho das exportações para a Republica Checa, com um crescimento de 339%, quando comparado com 2016.

Ainda segundo os dados recolhidos, importa salientar que as importações do setor registaram um decréscimo de 5% face ao período homólogo de 2016, fixando-se nos 693 milhões de euros, "valor que assegura a continuação de um saldo superavitário da balança comercial do setor".

A taxa de cobertura das exportações pelas importações do período em referência é de 191%, acrescenta.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.