Ex-governante recorda lei da transplantação, um "marco" do Portugal democrático

O antigo secretário de Estado da Saúde José Martins Nunes considera que a lei de transplantação, aprovada por unanimidade na Assembleia da República em fevereiro de 1993 e promulgada em março desse ano, é um "marco" no Portugal democrático.

"A lei da transplantação é um marco fundamental no Portugal democrático por várias razões, mas também porque foi uma lei inovadora: o Direito Comparado pouco ajudava, porquanto essa alternativa do 'consentimento presumido' para a colheita 'post mortem' não existia ou não se conhecia nos ordenamentos jurídicos de outros países", disse o médico à agência Lusa.

Martins Nunes, ex-presidente do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), recordou que a partir da publicação da lei muitos países acolheram o seu princípio da solidariedade presumida nos "seus ordenamentos jurídicos para terem uma lei semelhante".

Até à data, vigorava em Portugal uma lei de 1976, que tinha o objetivo de "libertar o desenvolvimento dos processos clínicos de transplantação dos condicionalismos burocráticos que o têm tornado impossível". Noutros países, existia o cartão do dador e em outros era a família que representava o dador.

A lei de março de 1993, que começou a ser trabalhada em 1991, é inovadora, ao aplicar na doação 'post morten' o princípio da solidariedade presumida como pilar da doação presumida e ao criar o registo de não dadores (RENDDA) para as pessoas que não desejam doar órgãos após a morte, respeitando assim a sua autonomia.

Trata-se de uma "lei humanista e personalista, de uma grande dimensão de generosidade, porque parte do princípio de que todos somos solidários", enfatizou Martins Nunes, à época secretário de Estado da Saúde, salientando que ainda hoje se trata de uma legislação muito avançada.

"Esta lei não era imaginável na altura, o que era imaginável era uma lei de consentimento expresso", sublinhou.

A atual lei tornou-se num exemplo copiado por outros países "e um marco muito importante a nível internacional", congratula-se.

Os quatro partidos com assento parlamentar em 1993 [PSD, PS, CDS e PCP] e um deputado independente deram contributos e votaram a lei por unanimidade.

"Houve um empenho muito grande nesta matéria. Eu pessoalmente estive envolvido em todos os passos e notei uma grande alegria dos vários deputados e dos partidos que se envolveram, por haver de facto um princípio que podia estar na base da transplantação, pois era urgente que se fizesse alguma coisa", recordou.

Segundo o antigo governante, "os indicadores de transplantação eram muito maus em 1991 e melhoraram bastante, quer na colheita de órgãos, em que Portugal passou a ser um dos melhores países a nível de colheita, quer na transplantação".

"Ainda hoje há países que estão a discutir e ainda não conseguiram implementar este princípio [da solidariedade presumida]. Acho que Portugal deve ter um enorme orgulho nesta lei, que chamamos uma lei boa, e que por essa razão foi consensual e aprovada com o contributo de todos os partidos".

José Martins Nunes está a coordenar o livro "A lucidez da ousadia - A propósito da lei da transplantação 12/93", no âmbito das comemorações dos seus 25 anos, que será apresentado em breve na Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.