Europeias: Amnistia vai vigiar candidatos italianos para combater "discurso de ódio"

Roma, 18 abr 2019 (Lusa) -- A Amnistia Internacional vai monitorizar as declarações publicadas pelos candidatos italianos às eleições europeias de maio nas redes sociais para verificar um eventual recurso ao "discurso de ódio", divulgou hoje a organização não-governamental (ONG).

"Com as eleições europeias, vamos lançar um controlo sobre quanto e como os direitos humanos vão entrar no debate na Internet", disse Martina Chichi, uma responsável da secção em Itália da organização internacional.

A monitorização será feita através de um programa informático que vai recolher todas as declarações que todos os candidatos irão publicar nas respetivas contas no Facebook e no Twitter.

O mesmo programa também irá selecionar aleatoriamente uma grande amostra de comentários de internautas e avaliar o respetivo conteúdo.

Um painel composto por cerca de 100 pessoas, com formação especializada, será chamado a avaliar se as declarações publicadas 'online' transmitem uma ideia positiva ou negativa.

Caso seja negativa, existem três níveis de gravidade possíveis, sendo que o pior é designado como "discurso de ódio", segundo os critérios definidos pela União Europeia (UE), segundo explicou Martina Chichi.

O diretor da Amnistia Internacional Itália, Gianni Rufini, lamentou, por seu turno, que "o discurso de ódio se tenha propagado e contaminado também o pensamento".

"Hoje, não odiamos apenas os migrantes ou as pessoas de etnia cigana, também odiamos as pessoas que dizem que estes grupos têm os mesmos direitos que os outros", frisou o representante.

Segundo Gianni Rufini, o mundo atual está a testemunhar "uma criminalização da solidariedade".

"Um grave passo para trás nos direitos humanos em todo o mundo", denunciou ainda Rufini, acrescentando que a fronteira entre a violência verbal e a violência física é "cada vez mais efémera".

A Amnistia Internacional anunciou ainda que apelou aos candidatos italianos às europeias para terem uma especial atenção a várias áreas relacionadas com os direitos humanos: direitos das mulheres e da comunidade LGBTI (Pessoas Lésbicas, Gays, Bissexuais, Trans e Intersexo), migrantes e refugiados, ativistas dos direitos humanos, políticas de austeridade que afetam os mais vulneráveis e as mudanças climáticas.

As eleições europeias 2019 vão ter lugar de 23 a 26 de maio. Em Itália, o escrutínio decorre a 26 de maio.

O país é governado atualmente por uma coligação composta pela Liga (partido de extrema-direita) e pelo Movimento 5 Estrelas (M5S, populista), executivo que tem adotado uma linha dura em matérias relacionadas com as migrações.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.