EUA e Cabo Verde preparam acordo militar que inclui presença de forças na região

Os Estados Unidos e Cabo Verde estão a negociar um acordo de cooperação militar que pode incluir a presença de forças dos EUA no arquipélago.

"Os Estados Unidos e Cabo Verde estão neste momento a trabalhar em conjunto para terminar um Acordo de Estatuto de Forças (Status of Forces Agreement, SOFA, na sigla em inglês). Os dois países não têm um SOFA neste momento", confirmou um porta-voz do Departamento de Estado à agência Lusa.

O mesmo porta-voz disse que "é impossível comentar mais neste momento", mas um acordo deste género é sempre estabelecido para determinar as condições em que forças militares estrangeiras podem operar num país.

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde, Luís Filipe Tavares, disse esta semana que o seu país recebeu uma proposta dos EUA, introduziu algumas mudanças e que o acordo final deverá ser assinado em setembro.

"Nós já fizemos uma proposta concreta à parte norte-americana, estamos a espera da reação deles, mas acreditamos que, provavelmente, ainda antes de setembro estaremos em condições de assinar este acordo com os Estados Unidos", disse o ministro.

O governante explicou que o objetivo é garantir "mais proteção às águas territoriais [de Cabo Verde] e garantir uma circulação, sem muitos problemas, de bens e mercadorias que circulam do Atlântico Norte para o Sul e do Atlântico Sul para o Norte também".

Luís Filipe Tavares disse que estão a ser preparados, para 2018, um conjunto de exercícios militares nas águas do país, práticas que considera importantes porque "dissuadem todo o tipo de tráfico que existe na sub-região, nomeadamente de seres humanos, de droga, pesca ilegal, entre outras".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?