Estudo da biodiversidade insular tem de olhar para passado distante - estudo

Um estudo que envolveu mais de 50 ilhas vulcânicas, incluindo Açores e Madeira, conclui que a biodiversidade só pode ser percebida olhando para a variação do nível do mar dos últimos 800 mil anos.

O estudo, publicado esta quarta-feira na revista Global Ecology and Biogeography, "contradiz a maioria dos estudos na área, que consideram apenas níveis do mar extremos registados num passado recente, há cerca de 20 mil anos", explica o comunicado enviado hoje pelo Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais.

A flutuação do nível do mar tem-se alterado ao longo de milhares de anos entre muito baixo, durante períodos frios, e muito alto, durante períodos quentes, influenciando "a riqueza e distribuição geográfica das espécies que atualmente habitam estas ilhas".

"Hoje em dia o nível do mar é relativamente alto, mas durante grande parte dos últimos milhões de anos o clima foi mais frio e, por consequência, o nível do mar era mais baixo do que atualmente", esclarece o Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais.

Apesar de ter em conta essas alterações, muita da investigação feita na área da biodiversidade tem-se concentrado "nos níveis do mar atuais, ou considerado um período específico e de curta duração do passado recente da Terra como determinante para os padrões atuais de biodiversidade: o Último Máximo Glacial, um período excecional que teve lugar há cerca de 20 mil anos quando os lençóis de gelo se encontravam na sua maior extensão e, portanto, os níveis do mar se encontravam extremamente baixos".

A equipa, liderada por Sietze Norder, do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, contou com a colaboração do Grupo de Biodiversidade da Universidade dos Açores e olhou para dados sobre a riqueza de espécies de caracóis terrestres e plantas com flores de 53 ilhas oceânicas vulcânicas de 12 arquipélagos de todo o mundo, incluindo Açores, Madeira, Galápagos, Canárias e Havai.

A combinação da informação recolhida com "dados sobre a ocorrência de milhares de espécies permitiu aos investigadores explorar o papel da dinâmica ambiental do passado na definição dos padrões atuais de biodiversidade".

Segundo o investigador principal, "as ilhas oceânicas vulcânicas são locais excelentes para estudar o papel das flutuações do nível do mar a longo prazo na modelação dos padrões de biodiversidade, pois são habitadas por muitas espécies endémicas, que não ocorrem em mais nenhum lugar do mundo.

"Muitas vezes estas espécies endémicas evoluíram numa ilha ao longo de grandes escalas de tempo e, portanto, experienciaram vários ciclos de subida e descida do nível do mar", acrescenta o cientista.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.