Estudo conjunto da bacia mediterrânica necessário à conservação integrada - cientistas

Investigadores europeus defenderam hoje a necessidade de uma monitorização conjunta dos efeitos simultâneos das alterações climáticas e da poluição nos ecossistemas da Bacia do Mediterrâneo, para permitir definir políticas de conservação integradas.

Um grupo de mais de 30 investigadores de países como Portugal, Espanha, França e Itália, reunidos no Comité para Investigação sobre os Efeitos da Poluição Atmosférica sobre os Ecossistemas Mediterrânicos (Capermed) analisaram os resultados de estudos realizados para identificar os impactos da poluição atmosférica e das mudanças do clima, e as suas interações na natureza da região.

Em Portugal, os resultados foram obtidos em trabalhos no Parque do Alambre, em Azeitão, na Herdade da Coitadinha, em Barrancos, e na Companhia das Lezírias, em Samora Correia.

"Embora existam bastantes iniciativas, não há uma coordenação a nível de trabalho de investigação" para obter uma visão de conjunto da situação dos ecossistemas na Bacia do Mediterrâneo, disse hoje à agência Lusa Silvana Munzi, coautora do estudo e investigadora do cE3c - Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais.

"Conseguimos [detetar] as principais faltas e a maior parte é relativa a falta de monitorização. Existem modelos", mas são para uma determinada área e com "uma definição espacial muito baixa", explicou a cientista.

Por isso, defendeu, "era preciso insistir na criação de 'networks', de trabalho entre investigadores para usar, por exemplo, protocolos comuns e ver, nos vários sítios do Mediterrâneo, como é que os ecossistemas respondem a diferentes fatores de 'stress'".

Silvana Munzi avançou que, além de juntarem esforços na investigação, os cientistas vão apresentar uma proposta ao programa europeu Horizonte 2020 para conseguir financiamento.

Recordou que os países mediterrânicos são aqueles que têm menos fundos, por isso, "deve haver uma vontade política da União Europeia para financiar esta pesquisa".

A Bacia Mediterrânica apresenta ecossistemas diversos dependendo, por exemplo, do tipo de solo ou de clima, com respostas diferentes às mudanças climáticas ou à poluição, sendo "importante que haja uma recolha muito maior de dados, no campo", insistiu a investigadora da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Por outro lado, são desconhecidos os efeitos da ocorrência simultânea das mudanças do clima e da poluição.

Os investigadores estudam em separado os efeitos da poluição, ligada ao azoto e ao ozono, originada nas atividades industriais, construção, emissões de veículos ou práticas agrícolas, e das mudanças climáticas, com o aumento da temperatura e dos períodos de seca.

"Ainda não foi feita investigação sobre quais os resultados não dos fatores individualmente, mas a sinergia entre eles", realçou Silvana Munzi.

Uma vegetação já enfraquecida por uma seca não vai responder como poderia em condições "normais", por exemplo, à poluição do ar.

"Ainda não explorámos o [efeito] conjunto, que estamos a começar a considerar, mas que vai ser indispensável estudar no futuro para determinar depois as políticas de conservação, de proteção e recuperação" da natureza, resumiu a cientista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.