Especialistas definem lista de prioridades para restaurar ecossistemas

Investigadores, decisores e proprietários de terrenos identificaram as prioridades na recuperação dos ecossistemas europeus, como a luta contra a desertificação e as plantas invasoras nas florestas portuguesas, informação a ser transmitida aos responsáveis políticos e aos financiadores.

O grupo de 37 elementos de vários países, incluindo uma investigadora portuguesa, ligados ao restauro de ecossistemas listou as áreas de intervenção prioritária, acabando por limitar a 100 questões, que foram enviadas ao comissário europeu Carlos Moedas e serão encaminhadas para responsáveis políticos de cada país, assim como para entidades investidoras, avançou à agência Lusa a representante de Portugal no grupo.

Cristina Branquinho, do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais -- cE3c, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, uma das autoras do trabalho coordenado pela Universidade de Cambridge, Reino Unido, agora publicado, explicou que "a ideia é que se libertem fundos para projetos seguindo aquela hierarquia" de prioridades.

"Era bom que os governos e financiadores locais, nomeadamente Portugal, vissem algumas das prioridades que mais sentido fazem e as financiassem", especificou.

Prevenção e recuperação depois de fogos, desertificação, alterações climáticas, descontaminação dos solos devido à atividade de minas e gestão de plantas invasoras são alguns dos temas prioritários em Portugal.

Entre os aspetos que "não estão ainda a ser bem acautelados" em Portugal, está, segundo Cristina Branquinho, a recuperação dos ecossistemas após os incêndios, que deve torná-los resilientes ao fogo, o que não tem a ver só com o tipo de árvores, mas também com a forma como são plantadas, atendendo, por exemplo, às características dos terrenos.

"Plantar floresta em zonas desertificadas vai aumentar a matéria orgânica do solo, vai regular o clima, aumentar a biodiversidade, ou seja, permitir a prestação de serviços que a natureza costuma prestar e damos por falta quando desaparecem", apontou a investigadora.

A reabilitação dos ecossistemas marinhos também teve a atenção do grupo, assim como os restauros mais tradicionais, muitos casos já previstos na lei, associados à atividade industrial e às autoestradas, como a recuperação de pedreiras, de areeiros ou das margens daquelas vias rodoviárias.

A recuperação de ecossistemas degradados ou destruídos, uma tarefa multidisciplinar, tem recebido crescente atenção das áreas política e científica e assume especial importância na Europa -- uma região densamente ocupada e transformada pelo homem -- a fim de melhorar a capacidade dos ecossistemas para suprir as necessidades presentes e futuras de milhões de pessoas e contribuir para a conservação da biodiversidade.

Com esta lista, os autores pretendem estimular o debate e contribuir para que a investigação nesta área do restauro ecológico vá ao encontro dos objetivos europeus para conservação da biodiversidade, concluiu Cristina Branquinho.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.