Escultor Rui Chafes inaugura "Rumor" no Museu de Arte Contemporânea de Roma

A instalação "Rumor", criada pelo escultor Rui Chafes para o Museu de Arte Contemporânea de Roma (MACRO), em Itália, é inaugurada hoje, e passará a fazer parte do acervo desta instituição, por doação do artista.

A instalação é hoje inaugurada oficialmente, às 18:00, no museu, e abre ao público na quarta-feira, indicou à agência Lusa fonte próxima do artista.

A escultura em ferro consiste em dois elementos verticais, de quase cinco metros de altura, que conjugam a geometria vertical com o volume das superfícies em cimento, e com a luz natural do espaço do museu.

Rui Chafes, nascido em Lisboa em 1966, onde atualmente vive, foi galardoado em 2015 com o Prémio Pessoa.

Em 1995 representou Portugal, juntamente com José Pedro Croft e Pedro Cabrita Reis, na 46.ª Bienal de Veneza, em Itália.

Em 2004, representou Portugal na 26.ª Bienal de S. Paulo, com um projeto desenvolvido com a coreógrafa Vera Mantero.

Fez o curso de Escultura na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, entre 1984 e 1989, e, de 1990 a 1992, estudou na Kunstakademie Düsseldorf (Academia das Artes de Düsseldorf), na Alemanha, com Gerhard Merz.

O seu trabalho tem sido exposto em Portugal e no estrangeiro, desde meados de 1980, em várias instituições, e há dois anos apresentou a exposição antológica "O peso do paraíso", no Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).