Escritora Inês Pedrosa vai ser editada nos Estados Unidos e em França em 2018

A escritora Inês Pedrosa vai ser editada pela primeira vez nos EUA e em França no próximo ano, através da Amazon Crossing, que comprou os direitos de "Nas Tuas Mãos" e "Fazes-me Falta", anunciou hoje a Dom Quixote.

Os romances "Nas Tuas Mãos" e "Fazes-me Falta" têm edição prevista nos Estados Unidos para janeiro e junho de 2018, respetivamente, enquanto em França o romance "Fazes-me Falta" será publicado em setembro, ambos pela editora ligada ao grupo Amazon.

O romance "Nas Tuas Mãos" foi editado em 1997 e venceu o Prémio Máxima de Literatura. "Fazes-me Falta" é de 2002 e vendeu mais de 100 mil exemplares.

O seu romance "A Eternidade e o Desejo" foi finalista do Prémio Literário PT 2009 e do Prémio Correntes d'Escritas 2010.

A escritora portuguesa tem 23 livros publicados, entre romances, contos, crónicas, biografias e antologias, todos nas Publicações Dom Quixote.

"Desamparo" (2015) e "Desnorte" (2016) são os últimos títulos que publicou.

Até ao momento, a sua obra encontra-se publicada no Brasil, Espanha, Itália, Alemanha e Croácia.

Nascida em 1962, Inês Pedrosa licenciou-se em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa, trabalhou na imprensa, na rádio e na televisão, tendo dirigido também a revista Marie Claire entre 1993 e 1996.

Foi diretora da Casa Fernando Pessoa entre 2008 e 2014, escreveu crónicas nos semanários Expresso e Sol e participa, semanalmente, em programas de rádio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...