Escritor português David Machado nomeado para prémio literário de Dublin

O escritor português David Machado e o brasileiro Alexandre Vidal Porto estão entre os nomeados para o prémio literário internacional de Dublin de 2018, que distingue anualmente obras escritas em inglês ou traduzidas para inglês, foi hoje anunciado.

Nomeado está também o escritor Dejan Tiago Stankovic, nascido em Belgrado, capital da Sérvia, mas naturalizado português, com o romance "Estoril", traduzido do original sérvio.

A primeira lista de nomeados para o Prémio Literário de Dublin inclui um total de 150 títulos, entre os quais 48 traduzidos de 17 línguas, escritos por autores oriundos de 40 países diferentes.

Entre estes contam-se David Machado, com "The shelf life of happiness", edição inglesa de "Índice médio de felicidade", publicado em 2013 pela D. Quixote, e o diplomata Alexandre Vidal Porto, com "Sergio Y.", edição traduzida do original "Sérgio Y. vai à América", publicado no Brasil em 2014 pela Companhia das Letras.

Já o livro de Dejan Tiago Stankovic, vencedor do Prémio de Romance da Academia Sérvia de Artes e Ciências 2016, foi publicado, nesse ano, em Portugal pela Bookbuilders, chancela da E-Primatur, com o título "Estoril, um romance de guerra".

Entre os autores traduzidos nomeados nesta 'lista longa' figuram ainda nomes como Roy Jacobsen, Han Kang, Herman Koch, Javier Marías, Amos Oz, ou Juan Gabriel Vásquez.

Outros nomeados para o prémio são "Do not say we have nothing", de Madeleine Thien (publicado em Portugal pela Relógio d'Água com o título "Não digam que não temos nada"), e "The underground railroad" ("A estrada subterrânea", editada em português pela Alfaguara), de Colson Whitehead, vencedor do Prémio Pulitzer para ficção e apontado como um dos favoritos, já que foi o livro que recebeu mais nomeações este ano, tendo sido escolhido por 15 bibliotecas na Bélgica, Estónia, Grécia, Suécia e Estados Unidos.

O prémio literário de Dublin é organizado pela autarquia de Dublin e gerido pelas bibliotecas públicas da cidade, com um valor monetário de 100 mil euros, a serem entregues na totalidade ao autor da obra vencedora, se esta for escrita em inglês, ou, no caso de tradução, a dividir entre escritor e tradutor, no valores de 75 mil euros e 25 mil euros, respetivamente.

A lista de 150 títulos, um terço dos quais traduções, foi escolhida por bibliotecas em 111 cidades e 37 países de todo o mundo.

A organização do prémio literário destaca ainda que 25 das obras nomeadas são primeiros romances.

O vencedor da edição de 2017 foi o escritor angolano José Eduardo Agualusa, pela tradução inglesa do romance "Teoria Geral do Esquecimento".

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.