Escritor português David Machado nomeado para prémio literário de Dublin

O escritor português David Machado e o brasileiro Alexandre Vidal Porto estão entre os nomeados para o prémio literário internacional de Dublin de 2018, que distingue anualmente obras escritas em inglês ou traduzidas para inglês, foi hoje anunciado.

Nomeado está também o escritor Dejan Tiago Stankovic, nascido em Belgrado, capital da Sérvia, mas naturalizado português, com o romance "Estoril", traduzido do original sérvio.

A primeira lista de nomeados para o Prémio Literário de Dublin inclui um total de 150 títulos, entre os quais 48 traduzidos de 17 línguas, escritos por autores oriundos de 40 países diferentes.

Entre estes contam-se David Machado, com "The shelf life of happiness", edição inglesa de "Índice médio de felicidade", publicado em 2013 pela D. Quixote, e o diplomata Alexandre Vidal Porto, com "Sergio Y.", edição traduzida do original "Sérgio Y. vai à América", publicado no Brasil em 2014 pela Companhia das Letras.

Já o livro de Dejan Tiago Stankovic, vencedor do Prémio de Romance da Academia Sérvia de Artes e Ciências 2016, foi publicado, nesse ano, em Portugal pela Bookbuilders, chancela da E-Primatur, com o título "Estoril, um romance de guerra".

Entre os autores traduzidos nomeados nesta 'lista longa' figuram ainda nomes como Roy Jacobsen, Han Kang, Herman Koch, Javier Marías, Amos Oz, ou Juan Gabriel Vásquez.

Outros nomeados para o prémio são "Do not say we have nothing", de Madeleine Thien (publicado em Portugal pela Relógio d'Água com o título "Não digam que não temos nada"), e "The underground railroad" ("A estrada subterrânea", editada em português pela Alfaguara), de Colson Whitehead, vencedor do Prémio Pulitzer para ficção e apontado como um dos favoritos, já que foi o livro que recebeu mais nomeações este ano, tendo sido escolhido por 15 bibliotecas na Bélgica, Estónia, Grécia, Suécia e Estados Unidos.

O prémio literário de Dublin é organizado pela autarquia de Dublin e gerido pelas bibliotecas públicas da cidade, com um valor monetário de 100 mil euros, a serem entregues na totalidade ao autor da obra vencedora, se esta for escrita em inglês, ou, no caso de tradução, a dividir entre escritor e tradutor, no valores de 75 mil euros e 25 mil euros, respetivamente.

A lista de 150 títulos, um terço dos quais traduções, foi escolhida por bibliotecas em 111 cidades e 37 países de todo o mundo.

A organização do prémio literário destaca ainda que 25 das obras nomeadas são primeiros romances.

O vencedor da edição de 2017 foi o escritor angolano José Eduardo Agualusa, pela tradução inglesa do romance "Teoria Geral do Esquecimento".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.