Escritor português David Machado nomeado para prémio literário de Dublin

O escritor português David Machado e o brasileiro Alexandre Vidal Porto estão entre os nomeados para o prémio literário internacional de Dublin de 2018, que distingue anualmente obras escritas em inglês ou traduzidas para inglês, foi hoje anunciado.

Nomeado está também o escritor Dejan Tiago Stankovic, nascido em Belgrado, capital da Sérvia, mas naturalizado português, com o romance "Estoril", traduzido do original sérvio.

A primeira lista de nomeados para o Prémio Literário de Dublin inclui um total de 150 títulos, entre os quais 48 traduzidos de 17 línguas, escritos por autores oriundos de 40 países diferentes.

Entre estes contam-se David Machado, com "The shelf life of happiness", edição inglesa de "Índice médio de felicidade", publicado em 2013 pela D. Quixote, e o diplomata Alexandre Vidal Porto, com "Sergio Y.", edição traduzida do original "Sérgio Y. vai à América", publicado no Brasil em 2014 pela Companhia das Letras.

Já o livro de Dejan Tiago Stankovic, vencedor do Prémio de Romance da Academia Sérvia de Artes e Ciências 2016, foi publicado, nesse ano, em Portugal pela Bookbuilders, chancela da E-Primatur, com o título "Estoril, um romance de guerra".

Entre os autores traduzidos nomeados nesta 'lista longa' figuram ainda nomes como Roy Jacobsen, Han Kang, Herman Koch, Javier Marías, Amos Oz, ou Juan Gabriel Vásquez.

Outros nomeados para o prémio são "Do not say we have nothing", de Madeleine Thien (publicado em Portugal pela Relógio d'Água com o título "Não digam que não temos nada"), e "The underground railroad" ("A estrada subterrânea", editada em português pela Alfaguara), de Colson Whitehead, vencedor do Prémio Pulitzer para ficção e apontado como um dos favoritos, já que foi o livro que recebeu mais nomeações este ano, tendo sido escolhido por 15 bibliotecas na Bélgica, Estónia, Grécia, Suécia e Estados Unidos.

O prémio literário de Dublin é organizado pela autarquia de Dublin e gerido pelas bibliotecas públicas da cidade, com um valor monetário de 100 mil euros, a serem entregues na totalidade ao autor da obra vencedora, se esta for escrita em inglês, ou, no caso de tradução, a dividir entre escritor e tradutor, no valores de 75 mil euros e 25 mil euros, respetivamente.

A lista de 150 títulos, um terço dos quais traduções, foi escolhida por bibliotecas em 111 cidades e 37 países de todo o mundo.

A organização do prémio literário destaca ainda que 25 das obras nomeadas são primeiros romances.

O vencedor da edição de 2017 foi o escritor angolano José Eduardo Agualusa, pela tradução inglesa do romance "Teoria Geral do Esquecimento".

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.