Escritor moçambicano Mavildo Pedro vence prémio literário Fernando Leite Couto

O escritor moçambicano Mavildo Pedro, 37 anos, com a obra "Descrição das Sombras do Silêncio", é o vencedor da primeira edição do concurso literário Fernando Leite Couto, anunciou hoje o presidente da mesa do júri.

"É uma obra que se constrói num discurso centrado no 'eu' lírico e na visão contemplativa do autor", disse Aurélio Cuna, durante a cerimónia de anúncio do vencedor do concurso.

No total, estiveram a concurso 142 obras de autores de todo o país na iniciativa que este ano privilegiou a poesia face a outros géneros literários.

Em "Descrição das Sombras do Silêncio", Mavildo Pedro explora uma variedade de temáticas, descrevendo as "contradições da existência" a partir da solidão, do amor e da angústia.

"O verso longo, com tendência para períodos e parágrafos, acentua a vontade de revelar, que atravessa toda obra", acrescentou Aurélio Cuna.

É uma obra de quatro momentos em estilo de prosa poética, em que, além da versificação livre, os problemas da sociedade moçambicana também encontram o seu lugar.

Para o autor, que além de escritor é técnico de comunicação social, o prémio é resultado de trabalho com influência de nomes como Noémia de Sousa e José Craveirinha, ícones da poesia moçambicana.

"Um prémio é sempre uma surpresa", observou o jovem escritor, considerando que o segredo está em conseguir desfazer-se das influências e criar uma identidade própria.

Além da oportunidade de editar a sua obra, Mavildo Pedro leva para casa um prémio monetário no valor de 150 mil meticais.

Fizeram parte do júri Luís Carlos Patraquim, poeta moçambicano, Carmen Lúcia Tindo, professora de literaturas africanas na Universidade Federal do Rio de Janeiro, José Eduardo Agualusa, escritor angolano, e Aurélio Cuna, docente universitário moçambicano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.