Escritor moçambicano Mavildo Pedro vence prémio literário Fernando Leite Couto

O escritor moçambicano Mavildo Pedro, 37 anos, com a obra "Descrição das Sombras do Silêncio", é o vencedor da primeira edição do concurso literário Fernando Leite Couto, anunciou hoje o presidente da mesa do júri.

"É uma obra que se constrói num discurso centrado no 'eu' lírico e na visão contemplativa do autor", disse Aurélio Cuna, durante a cerimónia de anúncio do vencedor do concurso.

No total, estiveram a concurso 142 obras de autores de todo o país na iniciativa que este ano privilegiou a poesia face a outros géneros literários.

Em "Descrição das Sombras do Silêncio", Mavildo Pedro explora uma variedade de temáticas, descrevendo as "contradições da existência" a partir da solidão, do amor e da angústia.

"O verso longo, com tendência para períodos e parágrafos, acentua a vontade de revelar, que atravessa toda obra", acrescentou Aurélio Cuna.

É uma obra de quatro momentos em estilo de prosa poética, em que, além da versificação livre, os problemas da sociedade moçambicana também encontram o seu lugar.

Para o autor, que além de escritor é técnico de comunicação social, o prémio é resultado de trabalho com influência de nomes como Noémia de Sousa e José Craveirinha, ícones da poesia moçambicana.

"Um prémio é sempre uma surpresa", observou o jovem escritor, considerando que o segredo está em conseguir desfazer-se das influências e criar uma identidade própria.

Além da oportunidade de editar a sua obra, Mavildo Pedro leva para casa um prémio monetário no valor de 150 mil meticais.

Fizeram parte do júri Luís Carlos Patraquim, poeta moçambicano, Carmen Lúcia Tindo, professora de literaturas africanas na Universidade Federal do Rio de Janeiro, José Eduardo Agualusa, escritor angolano, e Aurélio Cuna, docente universitário moçambicano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.