Escolas de Turismo de todo o país disputam concurso nas Caldas da Rainha

Alunos e estabelecimentos de ensino de hotelaria de todo o país disputam durante dois dias, nas Caldas da Rainha, numa organização do Turismo de Portugal, um lugar na final europeia do Concurso Anual de Escolas de Turismo.

A "edição mais participada de sempre" do concurso inter-escolas arrancou hoje nas Caldas da Rainha, cidade anfitriã da iniciativa, que, "pela primeira vez, foi alargada a escolas fora da rede do Turismo de Portugal", disse à agência Lusa Filipe Silva, do conselho consultivo daquele organismo.

A 14.ª edição do concurso junta assim às 12 escolas do Turismo de Portugal, as congéneres de Aveiro, Fátima, Coimbra e Colares, aumentando a participação para "127 alunos de 17 escolas de norte a sul do país".

A iniciativa atesta da "importância" que o Turismo de Portugal atribui à formação, "uma área chave" para o organismo cuja rede escolar forma "quase 4.000 alunos por ano, nas mais diversas especialidades", para conseguir dar "uma resposta às necessidades das empresas de um setor que reclama por recursos cada vez mais qualificados", afirmou o mesmo responsável.

A "elevada taxa de sucesso em termos de empregabilidade "dos alunos formados pelas escolas do Turismo de Portugal é, segundo Filipe Silva, "resultante da qualidade da formação" prestada, mas também, "do bom momento que o setor atravessa", com um crescimento explosivo em alguns subsetores", sublinhou, exemplificando com a animação turística, que soma atualmente "mais de 8.000 empresas".

O nível de formação ministrado tem também contribuído para que "Portugal vá conseguindo bastantes medalhas nos concursos anuais" promovidos pela Associação Europeia de Escolas de Turismo, de que o Turismo de Portugal é membro fundador, afirmou Ana Paula Pais, vice-presidente da associação e coordenadora da rede de escolas de hotelaria do Turismo de Portugal.

As escolas da rede, "de forma global, têm tido muito bom desempenho e conseguiram no ano passado sete medalhas (duas de ouro, duas de prata e três de bronze), valor que poderá crescer com o alargamento a mais quatro escolas do país.

A Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste, que integra os polos das Caldas da Ranha e de Óbidos, recebe o concurso pela segunda vez, tendo sido anfitriã pela primeira vez na quarta edição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.