ENTREVISTA: Bernard-Henri Lévy quer "capitães de abril" na "ode à Europa" que traz a Lisboa

Lisboa, 16 abr 2019 (Lusa) -- Bernard-Henri Lévy quer ter os "capitães de abril" na primeira fila quando apresentar, a 06 de maio em Lisboa, a peça pela Europa e contra o populismo que está em digressão por 30 cidades europeias.

"Queria atuar a 25 de abril, mas não foi possível. Era a ideia inicial", diz o filósofo e escritor francês em entrevista hoje à Lusa, a propósito da peça "Looking for Europe" ("À Procura da Europa") que apresenta em Lisboa, a 06 de maio.

"Vão estar aqui pessoas que fizeram a revolução [...] Estarão na primeira fila do Teatro Tivoli para assistir. Estamos a contactar um por um, porque são meus camaradas, alguns meus amigos", adianta, explicando que a representação em Lisboa vai ser "um encontro com a memória".

Bernard-Henri Lévy esteve em Portugal no 25 de abril de 1974 e parte do verão seguinte. Conheceu Melo Antunes, Vasco Gonçalves, Otelo Saraiva de Carvalho, entre outros, e, 45 anos depois, afirma: "Sei de que noite Portugal saiu".

"Conheço a história de Portugal. Vivi a vossa revolução, vivi-a dia após dia. É a única revolução moderna que correu bem [...] O único caso de uma revolução de esquerda que deu origem a uma democracia duradoura, sólida. É muito importante e é um modelo", enfatiza.

O filósofo, conhecido em França pelas iniciais, BHL, vai apresentar em Lisboa a peça "Looking for Europe" ("À Procura da Europa"), que escreveu e interpreta, "uma ode à Europa", contra o nacionalismo e o populismo.

"O que venho dizer aqui, em Portugal, é precisamente que tenho de falar tanto do populismo e de uma Europa que não funciona, porque só há um local onde os populistas são embrionários e onde a Europa funciona, que é Portugal", explica.

"Portugal é a prova de que a Europa cria prosperidade, cria democracia e não priva os povos da sua identidade profunda. Estou em Lisboa há duas horas e sinto Portugal, a identidade portuguesa, imediatamente. E vocês são hoje o melhor aluno da classe europeia. É isto que me apaixona aqui", acentua.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?