Empresa da Trofa produz solução técnica para Noruega que protege habitat das renas

Uma empresa portuguesa da Trofa produziu a solução para o transporte de eletricidade na Noruega sem prejudicar as migrações das renas nem os pastos onde sazonalmente se alimentam, com os trabalhos a decorrerem sob 40 graus negativos.

A portuguesa Metalogalva e a norueguesa Statnett "trabalham desde 2016 num projeto de instalação de novas linhas de transporte de energia elétrica durante o inverno, protegendo assim o meio ambiente, pois decorrem sobre a neve espessa por cima dos pastos das renas", disse à Lusa o administrador.

Segundo António Pedro, o "projeto vai decorrer até 2019", havendo a "possibilidade de se estender por mais dois anos", num negócio que para a empresa da Trofa "representa um encaixe de oito milhões de euros".

A decorrer na região norte da Noruega, o trabalho "decorre em zonas sujeitas a proteção ambiental devido à migração das renas, sendo objetivo interferir o mínimo possível nessa deslocação dos animais", acrescentou o responsável.

A migração das renas dá-se na primavera e no outono, viajando para norte na primeira estação em busca de temperaturas mais frescas e regressando após o verão, quando o clima mais a norte se torna demasiado frio.

Imitando os vizinhos suecos, os noruegueses "construíram estradas na neve para o transporte dos materiais, abdicando do verão para efetuar a construção", explicou António Pedro.

"Em vez de usar betão, pois com temperaturas de 40 negativos é impossível betonar, passaram a usar as fundações metálicas em tubo, produzidas na Metalogalva, para os postes de transporte de energia", disse.

Vencedora de um "concurso que, para além de definir o preço e o prazo de entrega, incidia muito na pegada ecológica no transporte", a empresa portuguesa teve de "indicar a forma como faria a parte logística para ser estimada a emissão de dióxido de carbono".

"Tivemos de minimizar ao máximo o transporte terrestre, sendo que o método aprovado não pode ser alterado até ao final do contrato", observou o administrador.

As mais de mil fundações contratualizadas, em que para cada poste são feitas quatro, distando os postes entre si 500 metros, "faz com que a distância a cobrir seja de cerca de 125 quilómetros, sendo que 50% do material já foi fornecido", disse.

Mas não foi só a questão do transporte que implicou atualização de processos na Metalogalva, enfatizando António Pedro que para dar resposta foi criado "equipamento só para a produção de um dos componentes, permitindo que os quatro furos sejam feitos de uma só vez, reduzindo o tempo de fabrico em 25%".

O esforço para "dar resposta nesta parte do projeto" inclui "o recurso a robôs", dessa forma garantindo a empresa da Trofa que "o custo orçamentado se mantém".

"O maior desafio, em termos técnicos, foi na galvanização, no processo de proteção à corrosão, pois uma vez enterradas as fundações não dão acesso à manutenção, tendo-nos sido exigido proteção anticorrosão até três vezes mais que o estipulado, que aponta para uma durabilidade média de 20 anos num ambiente normal", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.