"Em Surdina" põe a dança de jovens surdos no palco do Teatro Campo Alegre

O espetáculo "Em Surdina" sobe ao palco do Teatro Campo Alegre, no Porto, na sexta-feira, com oito jovens, cinco dos quais são surdos, para uma coreografia onde "movimento e som" comandam, frisou o coreógrafo Marco da Silva Ferreira.

"A coreografia é mais assente numa ideia de som do que de música, porque a música tem uma conotação cultural. Neste trabalho foi muito mais interessante pensar na ideia de movimento e som, porque são muito mais abstratos", explicou o coreógrafo do espetáculo, Marco da Silva Ferreira, durante o ensaio de imprensa de "Em Surdina", no Teatro Campo Alegre, no Porto.

O espetáculo vai estrear-se na sexta-feira, dia 13 de julho, e, até sábado, conta com a participação de oito jovens, entre os quais cinco surdos, com idades entre os 12 e 17 anos, do Agrupamento de Escolas Eugénio de Andrade, em Vila Nova de Gaia.

Para Marco da Silva Ferreira, a linguagem "não foi uma barreira" e coordenar os jovens "foi fácil", graças ao trabalho de duas intérpretes que acompanharam os ensaios, no entanto, exigiu que tivesse de "reorganizar a forma de encontrar material biográfico".

O coreógrafo explicou ainda que, para tornar possível a realização do espetáculo, recorreu a "apontamentos de linhas e formas geométricas" no chão do palco, que surgem como um "mapeamento", assim como a "luzes" que funcionam como "um estímulo visual para a mudança de cena", de forma a que os cinco jovens se guiem.

"Foi mais importante não pensar na mensagem que eu, enquanto coreógrafo, queria passar, mas no que este projeto lhes [aos jovens] queria passar a cada sessão. Foi muito mais sobre quem são estas pessoas e qual é este canal intermédio onde a comunicação existe e como é que posso influenciar a vida deles da melhor maneira", sublinhou também Marco da Silva Ferreira.

Para o coreógrafo, o espetáculo é "pensado para o público não ouvinte" e pretende acolher "a comunidade surda" no teatro.

"Em Surdina", uma produção do teatro Municipal do Porto, vai estar em exibição na sexta-feira e no sábado, às 21:30, no Auditório do Teatro Campo Alegre, e os bilhetes têm o custo de cinco euros.

Ler mais

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.