Editora brasileira reúne 34 autores em livro para celebrar a cidade de Coimbra

Trinta e quatro autores de diferentes países juntaram os seus textos num livro que uma editora do Brasil vai apresentar em Coimbra, na terça-feira, para celebrar a cidade que acolheu Camões e Eça de Queirós.

Com prefácio de José Augusto Bernardes, diretor da Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra (UC), e posfácio da cantora brasileira Adriana Calcanhotto, que em 2015 foi nomeada "Embaixadora da Língua Portuguesa" pela UC, a obra "Coimbra em Palavras" reúne trabalhos de escritores e escritoras "que nasceram, vivem, viveram e passaram" na cidade do Mondego.

"Participam representantes dos cinco continentes, que contam e narram experiências vividas e imaginadas nesta cidade vibrante e cheia de história", informa a Aquarela Brasileira Livros, de São Paulo.

Numa nota enviada à agência Lusa, a editora destaca que a Coimbra "eterna e misteriosa" é apreciada no livro "de forma criativa" por Poeta G, Rita Gomes, Ricardo Almeida, Élia Ramalho, Raquel Lima, Wagner Merije, Marie Claire De Mattia, Bruno Mendonça, Marina Alexiou, Tiago Miguel Knob, Hérica Jorge, Fábio Lucindo, Elaine Santos, O Urso, Helen Maia, Jairo Fará, Julie-Cerise Gay, Zhang Qinzhe, Aline Ferreira, Vittorio Aranha, Moema Najjar, Rafael Cheniaux, Paula Machava, Sérgio Fagundes, Clara Pereira e Laylla O'Neall, nomes a que se juntam intelectuais portugueses e brasileiros de diferentes épocas: Luís de Camões, Eça de Queirós, Florbela Espanca, Gregório de Matos, Gonçalves Dias, Tomás António Gonzaga.

"Esta publicação pode ser vista como uma retribuição à cidade e à academia. Na ampla diversidade dos textos que a compõem, Coimbra tem também uma oportunidade rara de se ver refletida nesse espelho especialmente verdadeiro que é a literatura", na opinião de José Augusto Bernardes, professor de Literatura Portuguesa na Faculdade de Letras da UC.

Também Adriana Calcanhotto, citada na nota, encara "Coimbra em Palavras" como "um belíssimo retrato do quanto essa cidade sabe provocar almas de poetas" desde tempos remotos.

"Já não sei dizer se os textos me tocaram porque a cidade me toca, só sei que li o livro de uma vez, com total identificação", afirma a compositora, nascida em Porto Alegre.

Para o editor Wagner Merije, que participa igualmente no projeto como autor, trata-se de uma homenagem a Coimbra "e aos encontros que ela propicia", bem como "um convite para que o leitor e a leitora conheçam, experimentem e redescubram uma das cidades mais enigmáticas de Portugal e do mundo".

Em Portugal, haverá duas apresentações da obra: em Coimbra, na Casa da Escrita (dia 02, às 18:30), e em Lisboa, na Livraria Tigre de Papel (dia 13, das 15:00 às 17:00), antes e depois das eleições gerais brasileiras, que se realizam no dia 07.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?