Duas dezenas de vigilantes do Metro de Lisboa da empresa Securitas em protesto

Cerca de duas dezenas de vigilantes do Metropolitano de Lisboa, contratados pela empresa de segurança Securitas, protestaram hoje junto à estação da Alameda, reivindicando o pagamento do trabalho suplementar e subsídio de alimentação.

"Os trabalhadores estão a contestar o cumprimento do Contrato Coletivo de Trabalho (CCT). Tivemos a primeira reunião com a Securitas em maio. Nessa reunião, a empresa comprometeu-se com várias matérias do contrato, nomeadamente, a questão dos intervalos para descanso, o trabalho suplementar, os feriados e o subsídio de alimentação", disse à Lusa Rui Tomé, do Sindicato dos Trabalhadores de Serviços de Portaria, Vigilância, Limpeza, Domésticas e Atividades Diversas (STAD).

De acordo com o sindicalista, apesar do compromisso assumido a empresa não cumpriu o prometido no mês seguinte, pelo que os trabalhadores recorreram para o Ministério do Trabalho.

"Nessa reunião, no Ministério do Trabalho, houve novo compromisso e, de boa fé, a greve que estava agendada foi desmarcada, já que os trabalhadores ficaram com a esperança de que no final de agosto as matérias fossem cumpridas, mas a Securitas não cumpriu", revelou Rui Tomé.

De acordo com o sindicalista, a empresa não cumpriu na questão do "pagamento do trabalho suplementar, nem no subsídio de alimentação em termos proporcionais para quem está no regime de adaptabilidade".

"A Securitas é uma empresa multinacional, de referência, uma empresa que tem obrigação de cumprir com o contrato coletivo de trabalho e tem de respeitar os trabalhadores, o que não está a acontecer", frisou.

Caso a empresa não cumpra aquilo que está estipulado no Contrato Coletivo de Trabalho, nomeadamente as questões que fazem hoje os trabalhadores contestarem, Rui Tomé admitiu que serão consideradas "novas formas de luta", entre as quais nova queixa no Ministério do Trabalho e à Autoridade das Condições do Trabalho (ACT), entre outros.

"Só queremos que cumpram com o contrato. A empresa está a pagar o valor hora, os trabalhadores não recebem com as percentagens que estão estipuladas no CCT e é isso que estamos a exigir à empresa. Só queremos que cumpra com o contrato, não queremos nem mais, nem menos", afirmou.

Segundo o sindicalista, são cerca de 80 os trabalhadores vigilantes do Metropolitano de Lisboa que se encontram nesta situação de incumprimento por parte da empresa Securitas.

A Lusa tentou obter uma reação da empresa Securitas às queixas dos trabalhadores, mas, até ao momento, não obteve resposta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.