Dívida de Angola à China ronda os 23 mil milhões de dólares - ministro

O ministro das Finanças angolano, Archer Mangueira, disse hoje que a dívida de Angola à China ronda os 23 mil milhões de dólares (19.659 milhões de euros), reportou a agência noticiosa Angop, num despacho a partir de Pequim.

Archer Mangueira, que se encontra na capital chinesa a acompanhar a comitiva o Presidente angolano, João Lourenço, à terceira cimeira do Fórum de Cooperação China-África (FOCAC), referiu que para amortizar a dívida de Angola à China terão de ser criados projetos que potenciem um encaixe financeiro a médio e longo prazos.

Numa altura em que o Presidente chinês, Xi Jinping, anunciou que o "gigante" asiático vai perdoar a dívida com as nações africanas com as quais tem relações diplomáticas, Archer Mangueira não adiantou se Angola vai ou não beneficiar desse perdão.

No quadro do perdão anunciado por Xi Jinping estão as nações africanas consideradas menos desenvolvidas ou com fraca capacidade económica.

Segundo o despacho da Angop, no primeiro trimestre do ano em curso, as trocas comerciais entre os dois países cresceram 22,4%, tendo atingido 6.800 milhões de dólares (5.812 milhões de euros).

Neste período, a China vendeu a Angola produtos avaliados em 481 milhões de dólares (411 milhões de euros) e comprou mercadorias avaliadas em 6.320 milhões de dólares (5.408 milhões de euros).

Em 2017, o comércio entre os dois países cresceu 43,42%, para 22.340 milhões de dólares (milhões de euros), com a China a comprar mercadorias a Angola no valor de 20.047 milhões de dólares (20.553 milhões de euros), maioritariamente petróleo, e a vender a Luanda bens no montante de 2.297 milhões de dólares (1.963 milhões de euros).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.