Distrito de Portalegre tem falta de 150 enfermeiros - Sindicato

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) defendeu hoje a "necessidade urgente" de contratação de enfermeiros para a Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano (ULSNA), alertando que faltam "cerca de 150" profissionais desta área.

"Faltam nos hospitais de Portalegre e de Elvas e nos centros de saúde do distrito de Portalegre cerca de 150 enfermeiros", disse Celso Silva, da direção nacional do SEP, num encontro com jornalistas à porta da unidade hospitalar da cidade raiana de Elvas.

Justificando o número 150 enfermeiros em falta com a "aplicação das formas de cálculo da Ordem dos Enfermeiros para as dotações seguras", o sindicalista indicou que o SEP já alertou a administração da ULSNA para situações de "quase rotura" em diversas valências, como a ortopedia em Elvas ou os serviços paliativos no hospital de Portalegre.

"Isto já para não falar das questões que veem, por vezes, para a praça pública relacionadas com os serviços de urgências", acrescentou.

Apesar dos "alertas" já feitos junto do conselho de administração, segundo Celso Silva, a ULSNA "nada tem feito" para inverter a situação.

"O exemplo mais paradigmático é o último concurso para a admissão de enfermeiros, que foi aberto no início de novembro, e, chegados à data de hoje, passaram três meses e meio, e esse concurso, para 25 vagas, ainda não está concluído", disse.

O SEP lamentou, ainda, que o norte alentejano esteja "um pouco esquecido" pelo Estado, em particular no que diz respeito ao setor da saúde, o que justifica a "necessidade" de se dar um "alerta público" para a situação.

"Consideramos que hoje era chegado o momento de dar um alerta público, com esperança que chegue também ao conselho de administração da ULSNA e ao Ministério da Saúde", disse.

A Lusa tentou obter uma reação da administração da ULSNA às denúncias do sindicato sobre a falta de enfermeiros, mas o porta-voz da unidade, Ilídio Pinto Cardoso, informou que os responsáveis não vão fazer quaisquer comentários.

A ULSNA gere os hospitais de Portalegre e Elvas e os 16 centros de saúde existentes nos 15 concelhos que compõem o distrito de Portalegre.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.