Distrito de Portalegre tem falta de 150 enfermeiros - Sindicato

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) defendeu hoje a "necessidade urgente" de contratação de enfermeiros para a Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano (ULSNA), alertando que faltam "cerca de 150" profissionais desta área.

"Faltam nos hospitais de Portalegre e de Elvas e nos centros de saúde do distrito de Portalegre cerca de 150 enfermeiros", disse Celso Silva, da direção nacional do SEP, num encontro com jornalistas à porta da unidade hospitalar da cidade raiana de Elvas.

Justificando o número 150 enfermeiros em falta com a "aplicação das formas de cálculo da Ordem dos Enfermeiros para as dotações seguras", o sindicalista indicou que o SEP já alertou a administração da ULSNA para situações de "quase rotura" em diversas valências, como a ortopedia em Elvas ou os serviços paliativos no hospital de Portalegre.

"Isto já para não falar das questões que veem, por vezes, para a praça pública relacionadas com os serviços de urgências", acrescentou.

Apesar dos "alertas" já feitos junto do conselho de administração, segundo Celso Silva, a ULSNA "nada tem feito" para inverter a situação.

"O exemplo mais paradigmático é o último concurso para a admissão de enfermeiros, que foi aberto no início de novembro, e, chegados à data de hoje, passaram três meses e meio, e esse concurso, para 25 vagas, ainda não está concluído", disse.

O SEP lamentou, ainda, que o norte alentejano esteja "um pouco esquecido" pelo Estado, em particular no que diz respeito ao setor da saúde, o que justifica a "necessidade" de se dar um "alerta público" para a situação.

"Consideramos que hoje era chegado o momento de dar um alerta público, com esperança que chegue também ao conselho de administração da ULSNA e ao Ministério da Saúde", disse.

A Lusa tentou obter uma reação da administração da ULSNA às denúncias do sindicato sobre a falta de enfermeiros, mas o porta-voz da unidade, Ilídio Pinto Cardoso, informou que os responsáveis não vão fazer quaisquer comentários.

A ULSNA gere os hospitais de Portalegre e Elvas e os 16 centros de saúde existentes nos 15 concelhos que compõem o distrito de Portalegre.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".