Diogo Baldaia premiado na Áustria com curta-metragem "Miragem meus putos"

O filme "Miragem meus putos", do realizador português Diogo Baldaia, foi distinguido no Vienna Shorts Festival, dedicado a curta-metragem, que termina hoje na Áustria.

De acordo com a agência Portugal Film, a curta de Diogo Baldaia foi considerada o melhor filme da secção competitiva internacional de ficção e documentário e o júri elogiou-lhe a "descrição cativante, poética e sensual da juventude".

"Miragem meus putos" está dividido em três contos com narrativas distintas, mas com pontos em comum "muito ténues e vagos", nomeadamente essa ideia de "isolamento que se vai fazendo sentir" à medida que se cresce", como contou Diogo Baldaia à agência Lusa em janeiro, quando o filme competiu em Roterdão.

"O filme começa com crianças, passa por adolescentes e termina com jovens adultos. (...) Eu tentei pensar o filme como uma coisa que acontece e flui. Foi tudo muito intuitivo. A ideia de grupo vai-se deteriorando à medida que os contos se sucedem", explicou.

O sentido do filme encontra-se, na verdade, na montagem. "A minha proposta inicial foge a qualquer tipo de ideia de fazer algo claro e acho que isto se liga com a maneira de como eu comecei a ver filmes", recordou.

Nascido em 1992, Diogo Baldaia viveu e cresceu na Maia (Porto), onde fez as primeiras descobertas do cinema, sozinho, durante a adolescência. Estudo em Lisboa, na Escola Superior de Teatro e Cinema, e em Gent (Bélgica) e rodou os filmes de escola "Fúria" (2013) e "Vulto" (2014) antes de fazer "Miragem meus putos".

Segundo a Portugal Film, este é o terceiro prémio que Diogo Baldaia conquista com "Miragem meus putos", depois do prémio de melhor curta-metragem portuguesa no IndieLisboa 2017 e de uma menção especial no Festival de Curta-Metragem de Glasgow, Reino Unido, em março.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?