Dia da Língua Portuguesa assinala-se em 49 países com 210 iniciativas

As celebrações do Dia da Língua Portuguesa e das Culturas, na sexta-feira, vão este ano realizar-se em 49 países, com 210 iniciativas destinadas a assinalar o dia, anunciou hoje o Instituto Camões.

As atividades caracterizam-se pela "diversidade, nalguns casos são colóquios, conferências e encontros com escritores de língua portuguesa", e noutros são "peças de teatro, mostras de cinema em português, tanto documentários como curtas e longas-metragens, e artes do espetáculo de áreas multidisciplinares, como a música e a dança", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

Na sessão de apresentação das atividades promovidas pelo Instituto Camões, que decorreu hoje em Lisboa, o ministro vincou que o objetivo principal das sessões descentralizadas, que decorrem em vários continentes em datas próximas do dia 05, é valorizar o português como "uma das grandes línguas globais" da atualidade, falada por 261 milhões de pessoas e a língua mais falada no hemisfério sul.

De acordo com a lista, apresentada pela presidente do Instituto Camões, Ana Paula Laborinho, há uma sessão de cinema em português em Havana, por exemplo, e uma apresentação de canto alentejano em Timor-Leste, para além de outras iniciativas em países como França, Espanha, Uruguai, República Checa, Geórgia, Congo, China e Índia.

Questionado sobre a dispersão destas iniciativas e a falta de um ponto central nas comemorações, Santos Silva argumentou que "em muitas destas 210 iniciativas estão presentes e colaboram embaixadas ou instituições de vários países da CPLP, nalgumas estão todos os países, noutras alguns, e portanto não se trata de uma tarefa exclusiva do Camões, mas sim uma tarefa que o instituto desempenha no cumprimento das responsabilidades e em muitos outros lugares em colaboração com os seus congéneres ou embaixadas da CPLP".

Augusto Santos Silva prevê que a língua portuguesa se expanda a 400 milhões de falantes em meados deste século, relacionando esta previsão com o potencial demográfico de crescimento dos países africanos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

"A língua é o fator mais forte da identidade coletiva", concluiu o governante.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?