DGArtes: Setúbal contesta exclusão das companhias locais dos apoios 2018-2021

A Câmara Municipal de Setúbal apresentou hoje um protesto, junto da diretora-geral das Artes, "pela exclusão das companhias de teatro do concelho do financiamento decorrente do concurso Programa de Apoio Sustentado 2018-2021".

"É com total inconformismo que recebemos os resultados do concurso e queremos, desde já, manifestar solidariedade com todas as estruturas que ficaram excluídas deste apoio", assumindo "o compromisso de tudo fazermos para, no que ainda for possível, reverter esta situação", lê-se no comunicado da autarquia, hoje divulgado, com a mensagem enviada à Direção-Geral das Artes (DGArtes).

Duas companhias profissionais de Setúbal - o Teatro de Animação de Setúbal e o Teatro Estúdio Fontenova - foram excluídas dos financiamentos para o quadriénio 2018-2021 do Programa de Apoio Sustentado da DGArtes.

Segundo a mensagem da Câmara Municipal de Setúbal, assinada pela sua presidente, Maria das Dores Meira, "as companhias de teatro cumprem importante papel na criação individual e coletiva", ao proporcionarem "bens culturais essenciais a uma vivência mais rica e estimulante", o que torna "fundamental os apoios que recebem do Estado".

O Presidente da República disse hoje que vai falar com autarcas, sobre esta questão, e que aguarda dados sobre os apoios plurianuais ao teatro, para depois se pronunciar.

Por seu lado, o presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras já manifestou preocupação com a situação do Teatro Experimental de Cascais (TEC), que também ficou sem apoio, e o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, marcou uma reunião com estruturas do seu concelho, excluídas dos financiamentos, a realizar na terça-feira.

O PCP pediu a audição com caráter de urgência do ministro da Cultura, em comissão parlamentar, sobre os resultados provisórios destes concursos, assim como o Bloco de Esquerda, que também quer ouvir a diretora-geral das Artes, Paula Varanda.

Um conjunto de agentes do teatro reuniu-se no sábado em Lisboa, tendo decidido constituir uma plataforma e pedir uma reunião ao primeiro-ministro, António Costa.

O CENA-STE, Sindicato dos Trabalhadores de Espetáculos, do Audiovisual e dos Músicos, a Rede - Associação de Estruturas para a Dança Contemporânea, a Plateia - Profissionais Artes Cénicas, e o Manifesto em Defesa da Cultura, num comunicado conjunto, anunciaram ações de protesto para a próxima sexta-feira, em Lisboa e no Porto.

Os resultados provisórios dos concursos da DGArtes, comunicados aos candidatos, a que a agência Lusa teve acesso, garantem apoio estatal a 50 candidaturas das 89 avaliadas na área do teatro, ficando de fora 39 estruturas, como o Teatro Experimental de Cascais, o Teatro Experimental do Porto, a Seiva Trupe, o Festival Internacional de Marionetas e Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica (FITEI), O Teatrão e Escola da Noite, em Coimbra, e o Centro Dramático de Évora.

Entre as companhias mais apoiadas do programa, segundo os resultados provisórios, estão o Teatro Praga, a Companhia de Teatro de Almada, os Artistas Unidos, O Bando, o Teatro do Noroeste, a Companhia de Teatro de Braga, a Companhia de Teatro do Algarve (ACTA), a Comuna - Teatro de Pesquisa e o Novo Grupo - Teatro Aberto.

Os concursos ao Programa de Apoio Sustentado às Artes 2018-2021 abriram em outubro, com um valor global de 64,5 milhões de euros.

No sábado, o Governo anunciou um reforço do montante disponível até 2021, para 72,5 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos