DGArtes: REDE considera "gravissimo" que dança e circo fiquem fora dos reforços

A REDE - Associação de Estruturas para a Dança Contemporânea considera "gravíssimo e inaceitável" que esta área e a do circo tenham sido excluídas dos reforços de verbas anunciados esta semana pela tutela.

Contactada pela agência Lusa sobre os anunciados reforços de verbas para o setor das artes, a presidente da direção da REDE, Tânia Guerreiro, disse que "o dinheiro não é a única questão em causa, mas sim os problemas resultantes do novo modelo que está a ser aplicado".

Na terça-feira, a Direção-Geral das Artes divulgou, em comunicado, a repartição das verbas pelos vários concursos e áreas, na sequência de protestos dos artistas, sobretudo na área do teatro, e do anúncio do Governo de reforçar o programa em dois milhões de euros anuais, entre 2018 e 2021, tendo o primeiro-ministro anunciado na quarta-feira à noite um novo reforço, de mais 2,2 milhões.

No comunicado, a DGArtes indicava valores disponibilizados para as várias áreas do Programa de Apoio Sustentado, com exceção do concurso de apoio à dança, "uma vez que foram atribuídos 74% dos montantes elegíveis, muito superior aos demais concursos", justificava.

Outra exceção nas regras de acesso aos novos montantes de apoio foi o circo contemporâneo e artes de rua, "uma vez que se trata de uma área nova a concurso".

Para a REDE, esta decisão "é inaceitável", mas, por outro lado, a entidade considera que as novas verbas "vão solucionar apenas a curto prazo, não resolvendo os problemas provocados pelo novo modelo de apoio às artes", aprovado no ano passado, e que entrou este ano em vigor.

Questionada sobre a auscultação que a DGArtes - entidade responsável pela realização dos concursos - realizou aos agentes culturais antes da aprovação do novo modelo, incluindo os sindicatos, Tânia Guerreiro disse que a REDE foi ouvida, "mas as sugestões de alterações não foram seguidas" pela tutela.

"Não estamos a fazer uma crítica aos júris, porque eles seguem os critérios introduzidos pelo novo modelo, que não funciona", acrescentou.

Para a presidente da direção da REDE, o que está em causa é também "a falta de uma política cultural clara".

Sobre as falhas do novo modelo, Tânia Guerreiro apontou, entre outras, a elegibilidade de estruturas ou artistas que cumpram critérios acima dos 60 por cento, "quando nem todos têm a mesma natureza", e também o facto de "serem beneficiados aqueles que têm uma relação com as autarquias".

Os concursos do Programa Sustentado da DGArtes, para os anos de 2018-2021, partiram com um montante global de 64,5 milhões de euros, em outubro, subiram aos 72,5 milhões, no início desta semana, perante a contestação no setor, e o secretário de Estado da Cultura, já tinha admitido, na terça-feira, em conferência de imprensa, a possibilidade de essa verba vir a ser reforçada, já este ano, numa articulação entre o Ministério da Cultura e o gabinete do primeiro-ministro.

Para 2018, o Programa de Apoio Sustentado tinha previsto inicialmente um montante de 15 milhões de euros, que agora ascende a 19,2 milhões com os dois reforços dos últimos dias.

O Programa de Apoio Sustentado às Artes 2018-2021 envolve seis áreas artísticas - circo contemporâneo e artes de rua, dança, artes visuais, cruzamentos disciplinares, música e teatro -- tendo sido admitidas a concurso, este ano, 242 das 250 candidaturas apresentadas. Os resultados provisórios apontam para a concessão de apoio a 140 companhias e projetos.

Sem financiamento, de acordo com estes resultados, ficaram companhias como o Teatro Experimental do Porto, o Teatro Experimental de Cascais, as únicas estruturas profissionais de Évora (Centro Dramático de Évora) e de Coimbra (Escola da Noite e O Teatrão), além de projetos como a Orquestra de Câmara Portuguesa, a Bienal de Cerveira e o Chapitô.

Estes dados deram origem a contestação no setor, e levaram o PCP e o Bloco de Esquerda a pedir a audição, com caráter de urgência, do ministro da Cultura e da diretora-geral das Artes, em comissão parlamentar. O ministro Luís Filipe Castro Mendes vai estar presente, na sexta-feira, num debate de atualidade, na Assembleia da República, requerido pelo CDS sobre os "problemas na área da Cultura", regressando ao parlamento na terça-feira para a audição requerida.

Em comunicado, sindicatos e associações do setor anunciaram ações de protesto para sexta-feira em Lisboa, Porto, Coimbra, Beja, Funchal e Ponta Delgada, mantendo as manifestações apesar dos anúncios de reforços de verbas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.