DGArtes: Companhia de Viana do Castelo com salários de maio em risco

O diretor artístico do Centro Dramático de Viana do Castelo (CDV) afirmou hoje que os salários de maio "estão em risco", estando a ser equacionado o recurso à banca para fazer face ao atraso nos apoios do Estado.

"Gostávamos de saber da linha de apoio que foi anunciada pelo Ministério da Cultura para fazer face a este período. Nunca mais se ouviu falar de nada disso. Neste momento, o Teatro do Noroeste - CDV está, em conjunto com a Câmara Municipal, a procurar financiamento privado, junto da banca. É preciso dinheiro enquanto esperamos pelo apoio Direção-Geral das Artes (DGArtes)", afirmou o diretor da companhia, Ricardo Simões.

O responsável, que falava em conferência de imprensa para apresentação da programação de maio, disse que a situação financeira da companhia "é muito difícil" e que "o fim do mês acontece todos os meses e não se compadece com atrasos de mais um mês, mais dois meses".

"Se não houver empréstimo não há vencimentos. É tão simples como isto. Em final de maio não haverá vencimentos o que é muito penoso para todos", disse o responsável que frisou que as estimativas "apontam para final de maio, início de junho, a contratualização da verba atribuída ao Teatro do Noroeste - CDV".

A candidatura apresentada pela companhia para o período 2018 a 2021 prevê um investimento de "375 mil euros, por ano, sendo que "para 2018 o apoio proposto pela DGartes, provisório, é de 250 mil euros".

O processo do concurso ao Programa de Apoio Sustentado da DGArtes, para a área do teatro, sofreu atrasos pelo facto de muitas companhias terem contestado os resultados e terem direito a um período de audiência prévia.

Segundo Ricardo Simões, face à "falta de liquidez" da companhia "foi cortada uma produção do Fernando Gomes que integrou a candidatura DO Teatro do Noroeste - CDV aos apoios da DGartes".

Além daquela produção, Ricardo Simões adiantou que a situação financeira tem obrigado a "cortes cegos", nomeadamente "em valências de outras produções, tentando não desvirtuar o projeto artístico de cada uma delas", apontando como exemplo a redução de custos com cenários e figurinos.

"Não temos capacidade de produção até começarmos a receber apoio da DGartes", frisou.

Da programação de maio, Ricardo Simões destacou o acolhimento, no dia 05 de maio, às 21:00, no café concerto do Teatro Municipal Sá de Miranda, da peça "9 anos depois", uma criação e produção do coletivo Auéééu Teatro.

No dia 06 maio, destacou ainda o acolhimento da comédia musical "Duelo a muerte del Marqués de Pickman y lo que aconteció después a sua cadáver" que vai ser apresentada às 21:30, no cineteatro dos Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora, Caminha, no âmbito de um circuito ibérico.

A digressão da peça "(I)migrantes", com encenação do britânico Graeme Pulleyn, vai passar por Almada, Lisboa e Évora.

Com um texto inédito escrito a partir de relatos reais, (I)migrantes é "um espetáculo de contrastes, debruçando-se sobre um tema inequivocamente pesado, mas ao mesmo tempo imprimindo-lhe inesperadas nuances de alegria e momentos de riso, música, poesia e comoção, numa mistura provocadora e forte que promete revolucionar o espaço cultural dedicado ao fenómeno recente das migrações para a Europa".

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?