DGArtes: ACERT avisa que corte de financiamento terá "consequências graves"

A Associação Cultural e Recreativa de Tondela (ACERT) lamenta que a Direção-Geral das Artes (DGArtes) tenha mantido o corte no apoio, o que terá "consequências graves" para a sua atividade.

Após a publicação dos resultados preliminares do concurso dos Cruzamentos Disciplinares do Programa de Apoio Sustentado às Artes 2018-2021, a ACERT recorreu da avaliação do júri em audiência de interessados, por considerar que não foram tidos em conta "fatores relevantes e valorativos que o regulamento preconizava".

Para os quatro anos, a ACERT tinha pedido 1,6 milhões de euros, tendo-lhe sido atribuídos 960 mil euros.

"Após a audiência de interessados e conhecidos os resultados finais, verificou-se que não foram atendidas nenhumas das razões fundamentadas, mantendo o júri a avaliação inicial e, por isso, a ACERT não recebeu qualquer reforço de verbas em relação ao inicialmente proposto nos resultados provisórios", refere, em comunicado.

Segundo a associação, "a única alteração verificada foi a reposição do corte cumulativo nos dois primeiros anos do apoio que, numa primeira fase, aquando do conhecimento dos resultados provisórios por falta de dotação orçamental, a ACERT não iria receber".

Assim sendo, para o quadriénio 2018-2021, a ACERT sofrerá "uma redução de 40% em relação ao montante solicitado na candidatura (valor que já lhe tinha sido atribuído em 2005 e 2006)".

"Comparativamente ao anterior apoio (2013/2017) existe uma redução efetiva de 52.906Euro por ano", acrescenta.

A ACERT alerta que este corte penaliza, "em primeiro lugar, o público", com a criação e a circulação dos espetáculos da companhia de teatro Trigo Limpo, a programação regular do Novo Ciclo e os festivais a serem afetados.

Serão também afetados "os compromissos económicos, nomeadamente os salários da sua equipa profissional", sublinha.

"A ACERT demonstrou ao ministro da Cultura e ao Governo a sua indignação pelo resultado do concurso, tendo para isso solicitado uma reunião com carácter de urgência", refere.

O resultado deste concurso "coloca a ACERT nos níveis de apoio mais baixos desde 1992, contrariando uma consequente e reconhecida atividade de criação teatral e de programação do seu espaço multidisciplinar Novo Ciclo ACERT, centro de recursos culturais de caráter associativo, de confluência multicultural e de serviço público na área da cultura e da cidadania participativa", critica.

A ACERT considera estar a ser "desprestigiada, ciente de que este corte afeta igualmente uma cidade e uma região que há muitos anos conquistou uma notoriedade cultural nacional de prestígio".

A estrutura garante, por isso, que "não deixará que o bom nome da associação seja desacreditado, demonstrando a sua convicção em prosseguir um percurso de resistência e de afirmação de um trabalho que, ao longo de 42 anos, irá continuar a ser honrado com o assumir das suas responsabilidades culturais de prestação do serviço público".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.