Defesa Joãozinho assina com Tondela por duas épocas

O defesa-esquerdo João Graça, mais conhecido por Joãozinho, vai integrar o plantel do Tondela na época 2017-2018 da I Liga de futebol, depois de ter assinado contrato válido por dois anos, revelou hoje o clube 'auriverde'.

Numa nota publicada no site oficial, o Tondela informa que o acordo com o atleta de 27 anos é válido até junho de 2019.

"O defesa-esquerdo, que também ataca com critério, representou na última temporada os belgas do Kortrijk, com os quais se desvinculou para poder regressar a Portugal", informa o clube.

De acordo com o Tondela, Joãozinho tem longa experiência no futebol nacional, no qual alinhou pelo Olivais e Moscavide, Mafra, Beira-Mar, Sporting, Sporting de Braga e União da Madeira.

"O Joãozinho tinha várias propostas, mas foi o projeto do Tondela que o cativou, sendo agora 'auriverde' nas próximas duas épocas", refere.

O atleta mostrou-se feliz por ter regressado a Portugal para representar o Tondela, que lhe apresentou "um projeto bom" para si e para a sua família.

"Estou muito feliz por regressar ao meu país. Rejeitei outros clubes de I Liga, porque vi no Tondela condições e projeto que me entusiasmaram", destacou.

Joãozinho é assim o primeiro reforço oficial do Tondela para a época 2017-2018.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.