Daqui a 20 anos "Turismo em Portugal tem um futuro risonho" - relatório

O "Turismo em Portugal tem um futuro risonho", conclui um relatório apresentado esta tarde, na Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa (EHTL), que antevê oportunidades e perigos para o setor, numa perspetiva a 20 anos.

Com o título "Futurismo: O Petróleo Nacional, Turismo em Portugal em 2037", este trabalho surge porque "Portugal precisa urgentemente de pensamento a longo prazo", segundo os nove autores, que formam o grupo MESA37.

O documento menciona um cenário futuro que incluirá a ascensão do Oriente, o aumento e envelhecimento da população, mais preocupações ambientais e energéticas, o crescimento do clima de insegurança e mudanças nas instituições, no qual o "Turismo em Portugal tem um futuro risonho".

"Será uma atividade ainda mais importante para a economia portuguesa nos próximos 20 anos, se não cometermos muitos erros e se não tivermos grande azares", lê-se no estudo, que perspetiva nos próximos 20 anos "mais turistas, de mais origens, que ficam mais tempo e despendem mais dinheiro".

Assim, haverá maior riqueza para o país, "mais impostos, mais postos de trabalho, maior aproveitamento dos recursos e das regiões e ainda maior qualidade de vida para os residentes".

Entre a lista de argumentos para justificar as suas perspetivas está o aumento de turistas, nomeadamente por crescer a população, e o aumento da classe média em países do Oriente, como a China e a Índia.

As oportunidades perante o cenário passam por captar rotas do Oriente, "de forma direta e indireta, usando canais sobre o território africano", e a transformação do país na "Florida da Europa", no sentido de captar reformados europeus, através de "boas infraestruturas aeroportuárias, boa internet, segurança, apoio médico e preços de habitação acessíveis".

Entre o que pode correr mal, os autores do estudo enumeraram o bio e o ciberterrorismo, redução da liberdade de circulação na União Europeia, guerras, problemas em ligações aéreas, colapso dos sistemas de segurança social e crise nas finanças públicas.

Quanto ao argumento de Portugal como destino seguro, o estudo apresenta como oportunidades a gestão da imagem com medidas indiretas como o fim das Forças Armadas, com reforço dos meios eletrónicos e forças de intervenção de grande mobilidade, e inovação na forma de lidar com os incêndios.

À questão sobre o que pode correr mal, o documento responde com as hipóteses de terrorismo, cataclismos naturais, incêndios, alterações climáticas, instabilidade política e opções políticas erráticas, conflitos sociais e má gestão do território "com perda de identidade e qualidade ambiental".

Sobre a previsão de o setor ser ainda mais competitivo, os autores sublinharam a capacidade empreendedora e a existência de tecnologia, assim como diversificação de tendências turísticas e as oportunidades no setor hoteleiro e na restauração, prevendo que as agências de viagens se transformem em produtoras de conteúdos.

Neste capítulo são apresentados os desafios da automação e aumento dos custos, cuja resposta deve passar pelo foco na criação de valor, primado ao cliente e melhoria continuada de produtos e serviços.

No que pode correr mal, é elencada nomeadamente subida de preços, afunilamento da oferta ou perda da identidade.

O grupo MESA37 integra Ana Moreira, Diretora da EHTL, Ana Borges, Manuel Carvalho, Rui Pereira e Filipa Jordão, professores da EHTL, Filipe Pires e João Cruz, gestores, Luís Carvalho, urbanista e professor universitário, Paulo Vaz, diretor da Escola de Hotelaria do Douro-Lamego.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?