Dança para "O Cavaleiro da Dinamarca" de Sophia de Mello Breyner estreia-se hoje

O espetáculo de dança "O Cavaleiro da Dinamarca", inspirado na obra de Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004), tem hoje estreia absoluta no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, por alunos do Conservatório Nacional.

O espetáculo, criado a partir da obra homónima da escritora Sophia de Mello Breyner, terá duas únicas sessões no grande auditório do CCB, segundo a Escola de Dança do Conservatório Nacional (EDCN).

Esta versão coreográfica do conto infantil, criada para celebrar os cem anos do nascimento da escritora, contará com música, dança e figurinos originais.

O conto foi adaptado à linguagem coreográfica e será interpretado pelos alunos da Escola de Dança, acompanhados por alunos da Escola de Música.

A obra "conta a história de um sacrifício pessoal, da possibilidade de redenção do sofrimento humano, das descobertas, do contacto com o conhecimento e do imponente e tradicional pinheiro de natal", recorda a EDCN num texto sobre o espetáculo.

O espetáculo faz parte de uma programação nacional mais extensa anunciada em novembro do ano passado, e que inclui colóquios, filmes, concertos, um colóquio internacional e uma exposição itinerante.

Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004), natural do Porto, foi condecorada três vezes e distinguida com 13 prémios literários, entre outros galardões.

A autora escreveu várias obras dedicadas ao público infantojuvenil, nomeadamente, "A menina do mar" (1958), "A Fada Oriana" (1958), "A noite de Natal" (1959), "O Cavaleiro da Dinamarca" (1964), "O Tesouro" (1970), "A Árvore" (1985).

Escreveu ainda teatro, designadamente "Não chores minha Querida" (1993), e "O Colar (2001), e ensaios, entre os quais "A poesia de Cecíla Meirelles" (1956) e "Luiz de Camões. Ensombramentos e Descobrimentos" (1986), e traduziu autores como Dante Alighieri, William Shakespeare, Paul Claudel e Eurípides.

Em 1999, foi distinguida com o Prémio Camões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.