Dança para "O Cavaleiro da Dinamarca" de Sophia de Mello Breyner estreia-se hoje

O espetáculo de dança "O Cavaleiro da Dinamarca", inspirado na obra de Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004), tem hoje estreia absoluta no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, por alunos do Conservatório Nacional.

O espetáculo, criado a partir da obra homónima da escritora Sophia de Mello Breyner, terá duas únicas sessões no grande auditório do CCB, segundo a Escola de Dança do Conservatório Nacional (EDCN).

Esta versão coreográfica do conto infantil, criada para celebrar os cem anos do nascimento da escritora, contará com música, dança e figurinos originais.

O conto foi adaptado à linguagem coreográfica e será interpretado pelos alunos da Escola de Dança, acompanhados por alunos da Escola de Música.

A obra "conta a história de um sacrifício pessoal, da possibilidade de redenção do sofrimento humano, das descobertas, do contacto com o conhecimento e do imponente e tradicional pinheiro de natal", recorda a EDCN num texto sobre o espetáculo.

O espetáculo faz parte de uma programação nacional mais extensa anunciada em novembro do ano passado, e que inclui colóquios, filmes, concertos, um colóquio internacional e uma exposição itinerante.

Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004), natural do Porto, foi condecorada três vezes e distinguida com 13 prémios literários, entre outros galardões.

A autora escreveu várias obras dedicadas ao público infantojuvenil, nomeadamente, "A menina do mar" (1958), "A Fada Oriana" (1958), "A noite de Natal" (1959), "O Cavaleiro da Dinamarca" (1964), "O Tesouro" (1970), "A Árvore" (1985).

Escreveu ainda teatro, designadamente "Não chores minha Querida" (1993), e "O Colar (2001), e ensaios, entre os quais "A poesia de Cecíla Meirelles" (1956) e "Luiz de Camões. Ensombramentos e Descobrimentos" (1986), e traduziu autores como Dante Alighieri, William Shakespeare, Paul Claudel e Eurípides.

Em 1999, foi distinguida com o Prémio Camões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.