Criada no Porto tecnologia que torna painéis fotovoltaicos semelhantes a azulejos

Investigadores da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) desenvolveram uma tecnologia que incorpora imagens e logótipos em painéis fotovoltaicos, tornando estes equipamentos semelhantes a azulejos, de forma a incentivar a sua aplicação nas fachadas dos edifícios.

Geralmente, "as tecnologias fotovoltaicas são os principais candidatos à produção de energia próxima dos locais de consumo, em particular nas cidades", explicou à agência Lusa Luísa Andrade, docente e investigadora da FEUP, uma das responsáveis pelo projeto.

Contudo, segundo indicou, as soluções disponíveis apresentam constrangimentos na integração nos edifícios, devido às limitações estéticas, em termos de transparência e cor, e à limitação na absorção de radiação difusa, o que restringe a sua aplicação apenas aos telhados.

Em consequência disso, ficam por explorar as fachadas, ou seja, aproximadamente 90% da área disponível nos atuais edifícios urbanos, notou.

O objetivo da tecnologia Portuguese Solar Tiles, referiu, passa por "ajudar o mercado da construção sustentável a resolver o problema da integração de painéis fotovoltaicos em ambientes urbanos, utilizando filme fino".

De acordo com a promotora do projeto, painéis fotovoltaicos com filme fino são esteticamente mais versáteis e mais eficientes na captação de radiação difusa (radiação que chega a uma superfície com um ângulo diferente de 90 graus) do que a tecnologia de silício, utilizada atualmente.

Além disso, esta tecnologia, que tem a durabilidade de 20 anos, disponibiliza várias cores e diferentes padrões, levando a que os painéis se assemelhem a azulejos.

A ideia "é aliar a tradição à inovação tecnológica e trazer para os ambientes urbanos a autenticidade de ser português, algo que é cada vez mais procurado", contou Luísa Andrade.

O desenvolvimento da tecnologia Portuguese Solar Tiles tem sido feito no Laboratório de Engenharia de Processos, Ambiente, Biotecnologia e Energia da FEUP, desde 2007, sob a liderança do professor Adélio Mendes.

Da equipa fazem ainda parte os investigadores Ramon Mendes, da FEUP, e Andreia Passos, do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC).

O Portuguese Solar Tiles foi distinguido com o primeiro lugar na edição na segunda edição de 2017 do Business Ignition Programme (BIP), um programa financiado pelo Norte 2020, Portugal 2020 e União Europeia, e organizado pela U.Porto Inovação, pelo Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental da Universidade do Porto (CIIMAR) e pelo INESC TEC.

"A participação no BIP foi muito importante porque fez-nos olhar para a solução tecnológica do ponto de vista da sua valorização económica", disse Luísa Andrade, contando que a vitória motiva a equipa a continuar a exploração económica da tecnologia, demonstrando "que existe mercado para os Portuguese Solar Tiles".

Segundo a fundadora, os próximos passos passam pela construção de uma fábrica piloto para validação do aumento de escala da tecnologia, tendo o BIP permitido encontrar as pessoas e instituições que nos ajudarão a fazê-lo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?