Criada no Porto tecnologia que torna painéis fotovoltaicos semelhantes a azulejos

Investigadores da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) desenvolveram uma tecnologia que incorpora imagens e logótipos em painéis fotovoltaicos, tornando estes equipamentos semelhantes a azulejos, de forma a incentivar a sua aplicação nas fachadas dos edifícios.

Geralmente, "as tecnologias fotovoltaicas são os principais candidatos à produção de energia próxima dos locais de consumo, em particular nas cidades", explicou à agência Lusa Luísa Andrade, docente e investigadora da FEUP, uma das responsáveis pelo projeto.

Contudo, segundo indicou, as soluções disponíveis apresentam constrangimentos na integração nos edifícios, devido às limitações estéticas, em termos de transparência e cor, e à limitação na absorção de radiação difusa, o que restringe a sua aplicação apenas aos telhados.

Em consequência disso, ficam por explorar as fachadas, ou seja, aproximadamente 90% da área disponível nos atuais edifícios urbanos, notou.

O objetivo da tecnologia Portuguese Solar Tiles, referiu, passa por "ajudar o mercado da construção sustentável a resolver o problema da integração de painéis fotovoltaicos em ambientes urbanos, utilizando filme fino".

De acordo com a promotora do projeto, painéis fotovoltaicos com filme fino são esteticamente mais versáteis e mais eficientes na captação de radiação difusa (radiação que chega a uma superfície com um ângulo diferente de 90 graus) do que a tecnologia de silício, utilizada atualmente.

Além disso, esta tecnologia, que tem a durabilidade de 20 anos, disponibiliza várias cores e diferentes padrões, levando a que os painéis se assemelhem a azulejos.

A ideia "é aliar a tradição à inovação tecnológica e trazer para os ambientes urbanos a autenticidade de ser português, algo que é cada vez mais procurado", contou Luísa Andrade.

O desenvolvimento da tecnologia Portuguese Solar Tiles tem sido feito no Laboratório de Engenharia de Processos, Ambiente, Biotecnologia e Energia da FEUP, desde 2007, sob a liderança do professor Adélio Mendes.

Da equipa fazem ainda parte os investigadores Ramon Mendes, da FEUP, e Andreia Passos, do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC).

O Portuguese Solar Tiles foi distinguido com o primeiro lugar na edição na segunda edição de 2017 do Business Ignition Programme (BIP), um programa financiado pelo Norte 2020, Portugal 2020 e União Europeia, e organizado pela U.Porto Inovação, pelo Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental da Universidade do Porto (CIIMAR) e pelo INESC TEC.

"A participação no BIP foi muito importante porque fez-nos olhar para a solução tecnológica do ponto de vista da sua valorização económica", disse Luísa Andrade, contando que a vitória motiva a equipa a continuar a exploração económica da tecnologia, demonstrando "que existe mercado para os Portuguese Solar Tiles".

Segundo a fundadora, os próximos passos passam pela construção de uma fábrica piloto para validação do aumento de escala da tecnologia, tendo o BIP permitido encontrar as pessoas e instituições que nos ajudarão a fazê-lo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.