Criada comissão para instalação do Museu Nacional da Resistência em Peniche

Redação, 15 jan (Lusa)- O Ministério da Cultura anunciou hoje que foi criada, por despacho, a Comissão de Instalação dos Conteúdos e da Apresentação Museológica (CICAM) do futuro Museu Nacional da Resistência e da Liberdade, em Peniche, distrito de Leiria.

A comissão tem a missão de "propor os conteúdos" para aquele museu Nacional, "sugerir linhas de orientação acerca da respetiva apresentação museográfica, em linha com a história da Fortaleza de Peniche desde a sua construção e a preservação da memória da sua história recente, nos contextos da resistência à ditadura e na luta pela democracia", refere o Ministério da Cultura em nota de imprensa.

Compõem a comissão a diretora-geral do Património Cultural, Paula Silva, o presidente da Câmara de Peniche, Henrique Bertino, o chefe de gabinete do Ministro da Cultura, Jorge Leonardo.

Fazem ainda parte Adelaide Pereira Alves, Manuela Bernardino (do PCP), João Bonifácio Serra (historiador), os ex-presos políticos Domingos Abrantes, Fernando Rosas, José Pedro Soares (também membro da União dos Resistentes Antifascistas Portugueses) e Raimundo Narciso (representante do movimento cívico "Não Apaguem a Memória").

Nas reuniões da comissão, participam, sem direito a voto, representantes do Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra e do Centro de Investigação Transdisciplinar Cultura Espaço e Memória, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

A requalificação da Fortaleza de Peniche, no distrito de Leiria, e a consequente criação do Museu Nacional da Resistência e da Liberdade, estão orçadas em 3,5 milhões de euros, dos quais meio milhão de euros são suportados pelo Orçamento do Estado e os restantes por fundos comunitários.

Em abril de 2017, o Governo aprovou em Conselho de Ministros um plano de recuperação para o monumento para instalar na antiga prisão do Estado Novo um museu nacional dedicado à luta pela liberdade e pela democracia.

Os ministérios das Finanças e da Cultura determinaram, em setembro, transferir para a DGPC a Fortaleza de Peniche, encerrada ao público desde novembro por causa das obras, para as quais se aguarda que seja lançado concurso público pela DGPC.

Em 2016, a Fortaleza de Peniche foi integrada pelo Governo na lista de monumentos históricos a concessionar a privados, no âmbito do programa Revive, mas passados dois meses foi retirada pela polémica suscitada.

A Assembleia da República defendeu em plenário, da esquerda à direita, a sua requalificação e a preservação da sua memória histórica enquanto ex-prisão política da Ditadura.

A fortaleza, classificada como Monumento Nacional desde 1938, foi uma das prisões do Estado Novo de onde se conseguiu evadir, entre outros, o histórico secretário-geral do PCP Álvaro Cunhal, em 1960, protagonizando um dos episódios mais marcantes do combate ao regime ditatorial.

Ler mais

Exclusivos