CORREÇÃO: Anunciados novos membros do Governo timorense, mas executivo ainda incompleto

Vinte novos membros do Governo timorense, incluindo elementos ligados aos partidos da oposição PLP e CNRT, tomam posse na próxima terça-feira - somando-se aos 12 já em funções - mas o executivo ainda está incompleto.

A lista dos novos membros do Governo, a que a Lusa teve acesso, inclui Mariano Sabino, líder do Partido Democrático (PD) - parceiro da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin) na coligação de Governo - que assume a pasta de ministro de Estado e ministro de Recursos Minerais.

Tomam ainda posse o dirigente do Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT) Ágio Pereira, como ministro Adjunto do primeiro-ministro para a Delimitação das Fronteiras Marítimas e José Reis, que ficará como ministro Adjunto do primeiro-ministro para Assuntos de Governação. (Corrige o nome do ministério do ministro Agio Pereira)

A lista foi entregue pelo primeiro-ministro, Mari Alkatiri, ao chefe de Estado, Francisco Guterres Lu-Olo, na quinta-feira que assinou hoje o decreto de indigitação, publicado no Jornal da República.

Fernando Hanjam, docente da Universidade de Timor-Leste com doutoramento concluído em Aveiro, é o novo ministro da Educação e Hernâni Coelho, que foi ministro dos Negócios Estrangeiros no anterior Governo, assume o cargo de ministro do Petróleo.

A lista divulgada hoje inclui 10 vice-ministros, nomeadamente Mariano Renato Monteiro da Cruz (Desenvolvimento para Obras Públicas); Abrão Oliveira, Desenvolvimento para Habitação, Ordenamento e Ambiente e Inácio Moreira, que se mantém no Desenvolvimento para Transportes e Comunicações.

José Anuno será o vice-ministro da Administração Estatal, José Neves (foi candidato presidencial nas últimas eleições e está ligado ao Partido Libertação Popular - PLP) será vice-ministro da Educação e Cultura e Luís Lobato será o vice-ministro da Saúde.

Ainda sem que seja conhecido o ministro da Justiça, o seu número dois será Sebastião Dias Ximenes, enquanto Jacinto Gusmão assume o cargo de vice-ministro do Comércio e Indústria e Deolindo Silva o de vice-ministro de Agricultura e Pescas.

Tomam ainda posse na terça-feira alguns secretários de Estado, nomeadamente Cipriano Ferreira para Agricultura e Pescas, Matias Boavida do Conselho de Ministros e da Comunicação Social e Osório Florindo da Conceição Costa, no Desporto e na Promoção da Alta Competição.

O novo secretário de Estado da Juventude e do Trabalho é Nivio Magalhães e o secretário de Estado dos Veteranos é André da Costa, conhecido como L4 e que é também militante do PLP.

Os novos 20 elementos somam-se aos 12 que tomaram posse no passado dia 15, incluindo o chefe do executivo, Mari Alkatiri.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?