Coreografia "EVA PORO #1" de Madalena Victorino estreia-se hoje em Aljezur

A coreografia "EVA PORO #1", de Madalena Victorino e Joana Guerra, espetáculo comunitário que reflete sobre recantos da zona do Algarve em desaparecimento, vai ter estreia absoluta entre hoje e domingo, em Aljezur, foi hoje anunciado.

O espetáculo - que também tem cocriação de Alix Sarrouy, Miguel Nogueira, Nicolau da Costa, Patrick Murys e Remi Gallet e outros convidados - será apresentado nesses dias no Paraíso, freguesia da Bordeira, em Aljezur.

De acordo com a organização, "EVA PORO #1" é um espetáculo de arte comunitária ao ar livre "que coloca em cena artistas - homens, uma mulher e rapazes de contextos escolares muito diversos, juntamente com animais reais e oníricos - para investigar, através do som e do movimento, recantos perdidos e abandonados pela costa e na serra, o que desapareceu, ou se está a desaparecer".

É uma criação "de arte comunitária na paisagem sobre o desaparecimento, uma vontade de existir no ar", acrescenta o texto da organização, e que levanta questões relacionadas com "a intersecção da inteligência e organização das sociedades animais e humana, bem como a mutação ou extinção de necessidades ancestrais".

O título remete para Eva, a primeira mulher na Bíblia, "que é também uma égua que se evaporou do prado sem que ninguém desse por isso, e 'poro' é o que, à flor da pele, nos liga ao interior do corpo, do coração".

"EVA PORO #1" é a primeira de duas criações transdisciplinares que abordam, a partir de diferentes prismas e géneros, o assunto do desaparecimento, da evaporação, do fim das coisas, no seio das paisagens da Costa Vicentina e Serra de Monchique.

O resultado da segunda criação - "EVA PORO #2" - será apresentado em maio deste ano.

O espetáculo - que também terá apresentações a 22, 23 e 24 fevereiro, na aldeia de Barbelote, em Monchique - foi produzido no âmbito do projeto Lavrar o Mar, da Cosanostra Cooperativa Cultural, que tem direção artística e programação de Giacomo Scalisi e Madalena Victorino.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.