Convenção começa hoje a debater futuro do ensino superior

Instituições de ensino, académicos, alunos e decisores políticos começam hoje a debater o futuro do ensino superior em Portugal na "Convenção Nacional do Ensino Superior 20/30", organizada pelo Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP).

A iniciativa que arranca hoje no ISCTE -- Instituto Universitário de Lisboa está dividida em seis sessões, que vão realizar-se ao longo deste ano e em 2020, e pretende, segundo a reitora do ISCTE e ex-ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, "colocar a política do ensino superior na agenda do debate público".

O presidente do CRUP e reitor da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, António Fontainhas Fernandes, adiantou que a convenção pretende também criar o que muitas vezes falta aos reitores e ao ensino superior: tempo de reflexão.

"Portugal precisa de ter uma agenda para a próxima década, não podemos pensar a curto prazo. Os reitores muitas vezes não têm tempo para pensar. Estamos sempre a ser solicitados com novas arquiteturas legislativas e estamos sempre em permanente resposta. Penso que é importante refletir", disse Fontaínhas Fernandes.

O CRUP quer que desta primeira sessão da convenção e das que se lhe seguirem -- ainda em 2019, antes das eleições legislativas, preveem-se outras duas, nas universidades de Aveiro e do Porto -- saia uma "agenda para a década, que dê ao ensino superior uma ideia delineada de futuro".

Hoje estarão em análise temas como o acesso ao ensino superior; o financiamento; as condições de vida dos estudantes, desde o alojamento à ação social escolar, a comparação com os restantes países europeus e a inovação no ensino, como pistas tentar explicar a razão de em Portugal mais de 60% os jovens não prosseguirem estudos superiores.

Cada um dos painéis de discussão vai contar com um reitor -- no papel de moderador, não de interveniente -- e com um membro do Governo, ao qual caberá um comentário sobre os temas em debate por académicos e peritos, deputados, representantes sindicais, estudantes e outras individualidades.

Na sessão de abertura da convenção participará o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor e como "comentadores finais" dos temas em discussão em cada um dos painéis estarão o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, a secretária de Estado Adjunta e da Educação, Alexandra Leitão, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita, a secretária de Estado Adjunta do primeiro-ministro, Mariana Vieira da Silva, e o secretário de Estado do Orçamento, João Leão.

Ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, caberá fazer o encerramento da primeira sessão da Convenção Nacional do Ensino Superior 20/30.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.